Connect with us

Sociedade

Polícia reprime manifestação no Bengo

Published

on

A Polícia Nacional no Bengo dispersou, nesta quarta-feira, 05, com bombas de gás lacrimogéneo, bastões e disparos, dezenas de manifestantes que protestavam em Caxito contra a falta de água e atraso salarial dos trabalhadores da EPAS-Bengo, que resultou em atropelamento de um activista por uma viatura da polícia e na detenção de quatro manifestantes.

Os manifestantes entoavam canções e gritavam exigindo o reabastecimento e distribuição de água na cidade de Caxito e no Porto Quipiri: “não é possível viver sem água. Água é vida”, reivindicavam.

Os manifestantes prestaram solidariedade aos funcionários da Empresa Pública de Água e Saneamento do Bengo (EPAS-Bengo) que estão há mais de seis meses sem salários. Segundo uma testemunha, a polícia chegou, inclusive, a fazer alguns disparos para dispersá-los.

De acordo com a fonte, a manifestação teve que ser interrompida porque uma viatura do comando da Polícia Nacional do Bengo atropelou, propositadamente, um dos manifestantes, que por sinal, era coordenador da marcha, que ficou inconsciente e prontamente foi levado para o hospital onde recebeu cuidado médico.

Em comunicado a qual o Correio da Kianda teve acesso, o Comando Provincial da Polícia Nacional no Bengo, fez saber que reprimiu a manifestação, alegadamente por desobediência e desrespeito às regras de biossegurança face ao combate à covid-19 que assola o mundo e, em particular, o país.

“Verificou-se a desobediência de todos e dificuldade de concertação entre a polícia e os organizadores da manifestação, colocando em causa a circulação de peões, meios rolantes na via principal e a não observância das medidas de prevenção contra a covid-19. Facto que obrigaram as forças da ordem a dispersarem os manifestantes para se evitar o mal maior detendo os seus organizadores”, diz o comunicado enviado a este jornal.

O inspector-chefe, Paulo Miranda de Sousa, responsável pelo Departamento de Comunicação Institucional e Imprensa do Comando Provincial da Polícia Nacional no Bengo, disse que se encontram detidos, neste momento, quatro jovens manifestantes, incluindo o promotor da marcha, Domingos Jaime (Jaime Mc), que diz ser vítima de atropelamento por um carro da polícia.

Sobre o atropelamento do jovem, fonte próxima do comando da polícia no Bengo, reserva-se e promete apurar os factos, caso venha se confirmar a intenção de atropelamento aconselha a vítima a abrir um processo contra o agente da polícia.

A mesma fonte também fez saber que o promotor da manifestação, Domingos Jaime, e mais três cidadãos que se encontram detidos, foram levados para o Ministério Público, por mau uso da máscara e aglomeração e serão julgados, hoje, sumariamente, no tribunal provincial do Bengo.

Fernando Sakwayela Levi Alá Molowingui, professor e actvista cívico, condenou a atitude da policia pela forma como reprimiu a manifestação e apela às autoridades para libertarem os quatros jovens detidos, prometendo que no momento do julgamento vai ocorrer uma manifestação espontânea de frente ao tribunal.

“Vamos mostrar a nossa solidariedade para restituição a liberdade aos nossos companheiros, de contrário, poderá se produzir ondas de choques, ondas de violências e ondas de protestos junto ao comando municipal do Dande”, dizem e concluem: “esperamos que não haja julgamento”.

Resposta do Governo

Num comunicado enviado ao Correio da Kianda, A EPAL e a EPAS-Bengo, anunciaram a reposição do fornecimento e distribuição de água à província.

“Estamos atentos ao período de paralisação do fornecimento de água as populações de Caxito e arredores, que dura há já 14 dias, em decorrência da reivindicação de salários em atraso, por parte de alguns trabalhadores da produção, rede de distribuição e manutenção, cujo processo de solução decorre em sede própria, encontrando-se já na sua fase derradeira”, diz o comunicado.

Na nota faz saber que foi para tal orientada a EPAL em assistir a EPAS-Bengo a pôr em funcionamento os sistemas de abastecimento de capitação, tratamento e distribuição de água de Caxito e Porto Quipiri, desde pretérito dia 29 de Julho do corrente ano.