Connect with us

Sociedade

Polícia Nacional no Huambo esclarece diferendo com SINPROF

Published

on

Após a denúncia feita pelo Secretário Provincial do Huambo do SINPROF, nesta quarta-feira, 14, ao Correio da Kianda, que “todas as forças de segurança da província encontravam-se nas escolas, com objectivo de reprimir os professores em piquete de greve”, o Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da Polícia Nacional naquela província esclarece o sucedido, em comunicado chegado à redacção do nosso jornal, hoje, 15 de Dezembro.

De acordo com o comunicado, a Polícia Nacional esclarece que ao meio da manhã do dia 14 de Dezembro, a 4ª esquadra policial adstrita ao Comando Municipal do Huambo da Polícia Nacional, registou um telefonema dando conta de uma ocorrência de interesse policial, no complexo Escolar Rei Livongue, sito no bairro do Calilongue, Território Operacional Xavier Samacau.

Entretanto, diz o comunicado, em razão da denúncia aludida, fez-se deslocar à referida escola um dispositivo policial que, chegado no local, deparou-se com divergências entre professores pró e contra a greve ainda em curso no país e, visto que o elevar dos ânimos não facilitava a intermediação do desentendimento, os agentes decidiram por convidar os professores a segui-los à esquadra, que dista sensivelmente um quilometro da escola.

Faz menção ainda o comunicado, embora houvesse alguma tendência de resistência em face a pretensão policial, chegados à esquadra, na presença dos responsáveis do SINPROF na província, os diferendos ficaram esclarecidos e os professores e líderes sindicais saíram da esquadra sem terem sido molestados.

Pelo que, conclui o comunicado, os órgãos dessa Delegação Provincial do Ministério do Interior “continuam empenhados na manutenção da ordem e tranquilidade públicas e exorta, por isso, a população a continuar a colaborar com as forças da ordem e não desobedecer as instruções dadas pela polícia, sempre que esta for chamada a intervir para o reforço do sentimento de segurança nas comunidades”.

Colunistas