Conecte-se agora

Destaque

Policia desmente vaga de raptos e suposto ambiente de insegurança em Luanda

Redação

Publicados

on

policia desmente vaga de raptos e suposto ambiente de insegurança em luanda - porta voz policia - Policia desmente vaga de raptos e suposto ambiente de insegurança em Luanda

Apesar de as denúncias se repetirem nos últimos dias, fonte policial garante ao Novo Jornal Online que a situação está a ser empolada por informações falsas publicadas nas redes sociais. 

Os relatos de desaparecimento de mulheres em Luanda, e das respectivas viaturas, que nos últimos dias se sucedem nas redes sociais, com destaque para o Facebook e WhatsApp, não resultam de uma onda de raptos na capital do país, diz ao Novo Jornal Online fonte do Gabinete Provincial de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior. 

De acordo com a mesma fonte, as pessoas estão a publicar informações falsas nessas plataformas, que têm criado a ideia de um surto de sequestros em Luanda visando mulheres ao volante. 

“O que acontece na realidade é que os delinquentes sabem ou dão conta que as vítimas têm um cartão Multicaixa com dinheiro. Então, surpreendem-nas na via pública e andam com as mesmas, obrigando-as a levantar dinheiro. Isso não é rapto”, sublinha a fonte do Ministério do Interior. 

Ainda segundo a mesma fonte, muitos dos casos decorrem da falta de prudência das vítimas, pelo que as autoridades apelam a cautelas redobradas. 

“Rapto exige que os delinquentes peçam o resgate”, sublinha, garantindo que isso não tem acontecido, tal como não aconteceu no caso de Beatriz Fernandes, ex-apresentadora da TPA encontrada ontem morta. 

“As mulheres não têm precaução, andam com tudo na pasta, dinheiro, cartão Multicaixa com o código, telefones caros…”, descreve a fonte, acrescentando que, para piorar, as vítimas mantêm “o hábito de deixar as pastas à vista nos carros”, o que permite aos bandidos controlarem os seus passos. 

“É simplesmente isso que está a acontecer em Luanda. O Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional, não recebeu nenhuma denúncia que fizesse referência à prática de raptos”, desvaloriza a fonte do Gabinete Provincial de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior. 

Para esta fonte, tem havido também uma grande confusão de conceitos. 

“Rapto exige que os delinquentes peçam o resgate”, sublinha, garantindo que isso não tem acontecido, tal como não aconteceu no caso de Beatriz Fernandes, ex-apresentadora da TPA encontrada ontem morta. 

“Neste momento as investigações estão a decorrer sobre este caso”, refere a fonte, que promete fornecer mais esclarecimentos em breve. 

O corpo de Beatriz Fernandes foi encontrado no Km30, após um alerta lançado por familiares. 

“Acreditamos que se trata de um assalto ou sequestro, a minha tia saiu do serviço, foi para casa e, depois, a caminho do hospital para ver o seu pai que se encontra internado na clínica da Endiama” desapareceu, lê-se numa mensagem partilhada no Facebook. 

Na mesma publicação, refere-se que a vítima estava acompanhada dos dois filhos, que conseguiram escapar, tendo sido encaminhados para uma esquadra policial.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (250)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (13)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (16)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (61)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação