Connect with us

Economia

Plataformas logísticas: Morosidade nos serviços consulares angolanos obriga prorrogação de prazos de candidaturas

Published

on

Os prazos para apresentação de candidatura no âmbito dos concursos internacional para exploração e gestão comercial das plataformas comerciais do Luvo e do Soyo, na província do Zaire, foram prorrogados para o dia 3 de março próximo, por causa da morosidade no reconhecimento das traduções dos documentos, por parte dos serviços consulares angolanos no estrangeiro.

A informação vem expressa num comunicado da Agência Reguladora de Certificação de Cargas e Logísticas de Angola, enviado à redação do Correio da Kianda, que entretanto refere que esta morosidade, causada pelos constrangimentos da pandemia da Covid-19, levou a que o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, autorizasse a prorrogação das datas para os empresários apresentarem as suas candidaturas no âmbito dos concursos limitados por prévia qualificação nº 2/2021 e 2/2021. O concurso é para a celebração de contrato de concessão para efeitos de concepção, construção, exploração e gestão comercial das plataformas Logísticas do Luvo e do Soyo.

Com a prorrogação da data de apresentação das candidaturas, ficam igualmente alteradas as demais fases e formalidades dos concursos limitados por prévia qualificação.

A prorrogação visa permitir aos interessados o cumprimento dos requisitos fixados no ponto 15.5 dos programas do concurso, que orienta a que todos os documentos da candidatura devem estar redigidos em língua portuguesa ou acompanhados de uma tradução devidamente legalizada.

O comunicado refere ainda que o primeiro prazo de prorrogação, que terminou no passado dia 3 de fevereiro, revelou-se insuficiente, razão pela qual o ministro dos transportes orientou a abertura de um segundo prazo.

Informa também que, as limitações impostas pela pandemia da covid-19 causaram constrangimentos para que as entidades estrangeiras observassem uma demora na tramitação da legalização das traduções juntos dos serviços consulares angolanos, nos países em que os mesmos foram emitidos.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas