Connect with us

Economia

PIB africano cresceu 6,9% em 2021

Published

on

O produto interno bruto de África recuperou fortemente no ano passado, mas os efeitos persistentes da pandemia de Covid-19, a invasão russa da Ucrânia e a guerra que se seguiu podem colocar desafios consideráveis a médio prazo, de acordo com as Perspetivas Económicas Africanas de 2022, divulgadas pelo Banco Africano de Desenvolvimento na quarta-feira, 25.

O produto interno bruto de África cresceu cerca de 6,9% em 2021. Isto acontece depois de o continente ter sofrido uma contração induzida por uma pandemia de 1,6% em 2020, diz a publicação emblemática do Banco.

O aumento dos preços do petróleo e a procura global têm geralmente ajudado a melhorar os fundamentos macroeconómicos de África, constata o relatório. Mas o crescimento poderá desacelerar para 4,1% em 2022, e permanecer aí preso em 2023, devido às persistentes pressões pandémicas e inflacionistas causadas pela guerra Rússia-Ucrânia. Ambos os países são grandes fornecedores de cereais a África.

O Grupo Banco Africano de Desenvolvimento respondeu à probabilidade de uma crise alimentar iminente com um Mecanismo Africano de Produção Alimentar de Emergência, no valor de 1,5 mil milhões de dólares – aprovada pelo conselho executivo do Grupo na semana passada. O seu presidente, Dr. Akinwumi Adesina, disse que os esforços internacionais, incluindo os do Grupo Banco Africano de Desenvolvimento, o Enquadramento Comum do G20 para o Tratamento da Dívida, e os 650 mil milhões de dólares em Direitos Especiais de Saque, emitidos pelo Fundo Monetário Internacional, estão a apoiar a recuperação do continente.

O tema das Perspetivas Económicas Africanas 2022 é “Apoiar a Resiliência Climática e uma Transição Energética Justa em África”. Destaca uma ameaça crescente às vidas e meios de subsistência em África. O Banco lançou o relatório durante os Encontros Anuais do seu Grupo em Acra, no Gana. As reuniões têm o mesmo tema.

O Economista-Chefe Interino e Vice-Presidente, Kevin Urama, afirmou que “As alterações climáticas são o desafio mais existencial para o desenvolvimento de África nos dias de hoje. Encontrar políticas que abordem a adaptação climática e a mitigação das emissões de gases com efeito de estufa, assegurando simultaneamente o desenvolvimento social e económico, é um dos desafios políticos mais duradouros do nosso tempo”, afirma Urama. “O relatório Perspetivas Económicas Africanas 2022 fornece opções políticas baseadas em provas para impulsionar um crescimento inclusivo através da construção de resiliência climática e de uma transição energética justa em África”, acrescentou.

O relatório Perspetivas Económicas Africanas 2022 deixa claro que a pandemia e a guerra Rússia-Ucrânia poderão deixar uma marca duradoura ao longo de vários anos, se não até uma década. Entretanto, cerca de 30 milhões de pessoas em África foram empurradas para a pobreza extrema em 2021 e cerca de 22 milhões de empregos foram perdidos no mesmo ano por causa da pandemia. E espera-se que a tendência continue durante esta segunda metade de 2022 e em 2023. As perturbações económicas resultantes da guerra Rússia-Ucrânia poderão empurrar mais 1,8 milhões de pessoas em todo o continente africano para a pobreza extrema em 2022. Esse número poderá aumentar mais 2,1 milhões em 2023.

As necessidades de financiamento adicionais do continente para 2020-22 estão estimadas em 432 mil milhões de dólares. O financiamento das contribuições determinadas a nível nacional dos países africanos – promessas públicas dos países sobre como planeiam desempenhar um papel na ação coletiva pós-2020 sobre as alterações climáticas – irá requerer até 1,6 biliões de dólares entre 2022 e 2030. Sendo o país menos emissor de emissões prejudiciais ao clima, África é desproporcionadamente afectada pelas alterações climáticas. O continente perde entre 5% a 15% do produto interno bruto devido às alterações climáticas. Colectivamente, os países africanos receberam apenas 18,3 mil milhões de dólares em financiamento climático entre 2016 e 2019. Isto deixa uma lacuna de financiamento climático de até 1288,2 mil milhões de dólares todos os anos entre 2020 e 2030.

O relatório estima que África terá um crédito de carbono de até 4,8 biliões de dólares até 2050, com base no atual custo social do carbono.

O relatório sublinha a vulnerabilidade de África às alterações climáticas. Em 2020 e 2021, o continente registou 131 desastres climáticos extremos, relacionados com as alterações climáticas.

O relatório apela à comunidade internacional para que cumpra os compromissos, como o financiamento anual de 100 mil milhões de dólares prometido pelas nações ricas para apoiar a ação climática nos países em desenvolvimento. Regista os milhares de milhões de dólares perdidos anualmente em eventos climáticos em África, bem como as perspetivas económicas de crescimento verde. Sugere, por exemplo, que África poderia ganhar cerca de 20,5 milhões de empregos adicionais até 2050 se o mundo ajustar o seu consumo de energia e conseguir manter o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

As Perspetivas Económicas Africanas 2022 propõem uma série de recomendações políticas para reconstruir melhor e engendrar economias resilientes em África. As propostas incluem a aceleração da vacinação contra a Covid-19 e a prestação de um forte apoio às indústrias farmacêuticas nacionais; a redução da dependência de fontes alimentares únicas; e a revisão do enquadramento da dívida global.
O tema das Perspetivas Económicas Africanas 2022 também está ligado à Conferência das Nações Unidas sobre o Clima, COP 27, também conhecida como a “COP Africana”, que o Egito acolherá em novembro. Será a primeira vez em cinco anos que a Conferência das Nações Unidas sobre o Clima se realizará em África, e acontece quando o continente enfrenta um aumento alarmante de desastres relacionados com o clima.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Colunistas

© 2017 - 2022 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD