Connect with us

Sociedade

PGR investiga causa da morte do médico Sílvio Dala

Redação

Published

on

As autoridades angolanas abriram inquérito para apurar as circunstâncias da morte do médico Sílvio Dala, ocorrida na semana finda, após ter sido detido pela Polícia.

A vítima perdeu a vida a caminho do Hospital do Prenda, depois de um mal-estar no interior de uma esquadra policial, no bairro do Rocha Pinto, distrito da Maianga em Luanda.

O pediatra padecia de uma doença de base (não revelada), que, segundo a autópsia, teria sido a causa principal do mal-estar e da morte.

Conforme o porta-voz do Ministério do Interior, Waldemar José, o médico sofreu uma “queda aparatosa” no interior da esquadra e teve “escoriações ligeiras” na cabeça, mas a autópsia revelou que não sofreu qualquer agressão.

Em nota de condolências, distribuída neste domingo, o ministro do Interior, Eugénio Laborinho, confirmou a instauração do inquérito e de um processo-crime que corre os trâmites na Procuradoria-Geral da República (PGR).

Conforme o governante, pretende-se aferir o que terá ocorrido na esquadra, antes de o médico ter sido socorrido para o Hospital do Prenda.

Segundo o ministro, todos os procedimentos estão a ser observados para se imputar as responsabilidades àqueles que, eventualmente, tenham relação directa com a ocorrência.

Eugénio Laborinho sublinhou que se pretende determinar, também, as motivações que terão contribuído para o “desencadear dos resultados concluídos na autópsia do corpo do médico”.

De recordar que a autopsia determinou que o médico teve morte “patológica” e não provocada.

Esta versão, tornada pública pelo Ministério do Interior, tem levantado dúvidas em vários círculos da sociedade, gerando críticas sobre uma eventual má abordagem da Polícia Nacional.

As suspeitas, reproduzidas por várias figuras públicas, ganharam força depois da publicação de uma foto, nas redes sociais, em que o médico aparece no chão, em volta de bastante sangue.

Histórico

Segundo a versão do Ministério do Interior, Sílvio Dala teria sido interpelado por um efectivo da Polícia Nacional, por não uso de máscara dentro da sua viatura, e convidado a ir à esquadra.

De acordo com o novo Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública, o uso de máscara é obrigatório na via pública e no interior das viaturas, incluindo prssoais.

O desrespeito dessa norma é punível com multa, no valor de cinco mil kwanzas.

Segundo a versão do porta-voz do Ministério do Interior, Waldemar José, o médico foi encaminhado para uma esquadra policial mais próxima, onde foram cumpridas todas as formalidades da elaboração do auto de notícia e a respectiva notificação de transgressão.

Pelo facto de esquadra não possuir mecanismo para o pagamento das multa de cinco mil kwanzas, disse, o médico ligou para  alguém próximo para efectuar o respectivo pagamento e levar o comprovativo à esquadra.

Foi nesse período de espera, de acordo com o oficial comissário, que o cidadão começou a passar mal e desfaleceu (desmaiou), embatendo com a cabeça no chão.

O mesmo, afirma, foi prontamente posto numa viatura das forças de defesa e segurança que o levou para o Hospital do Prenda, no mesmo distrito, onde veio a falecer durante o trajecto.

Por Angop

Mfuca Muzemba defende a exoneração de toda liderança da Polícia Nacional

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (23)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (74)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (14)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2020 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD