Conecte-se agora

Politica

PGR averigua falhas do reagente para testes HIV/SIDA

O Procurador-Geral da República, Hélder Pitta Gróz, disse terça-feira, em Luanda, que o Ministério Público vai instaurar um inquérito sobre uso de reagentes para testes HIV/SIDA, pelo Ministério da Saúde, que davam falsos resultados positivos.

Redação

Publicados

on

pgr averigua falhas do reagente para testes hiv/sida - PGR H  lder Pitta Gr  s  - PGR averigua falhas do reagente para testes HIV/SIDA

O procurador fez esse pronunciamento no programa “Grande Entrevista”, da Televisão Pública de Angola (TPA), acrescentando que vai investigar onde, e por intermédio de que entidade, foram adquiridos tais reagentes pelo Ministério da Saúde, uma vez que o que está em causa é um bem maior, que é o bem à vida.

Em entrevista publicada na edição desta terça-feira do Jornal de Angola, a directora do Instituto Nacional de Luta Contra a Sida, Maria Lúcia Furtado, revelou que o produto em causa não faz parte do algoritmo autorizado e a sua ineficácia foi constatada após testes com resultados falsos ou duvidosos.

Por este motivo, acrescentou, a Inspecção Geral da Saúde vetou o uso do reagente “Aria” na testagem do VIH, após a constatação de testes com resultados duvidosos.

Para detectar o VIH, realçou, são feitos dois testes, um para rastreio e outro para confirmação, e os únicos testes aprovados para fazer o diagnóstico no país são “Determine” e o “Unigold”.

Entretanto, Maria Lúcia Furtado garantiu que este erro foi corrigido, a empresa envolvida está a repor outro material e os testes feitos foram repetidos com o produto que faz parte do algoritmo do Ministério.

Segundo ela, o nível de contágio de VIH em Angola é estimado em 310 mil pessoas vivendo com a doença, das quais 190 mil são mulheres, muitas delas em estado de gestação.

A responsável salienta que, no país, cerca de 70 por cento das pessoas infectadas só se dirigem às unidades hospitalares quando estão com sinais e sintomas muito evidentes da doença, o que revela falta de cultura de fazer o teste com antecedência.

A directora adiantou que a taxa de abandono da medicação é de 54 por cento e o número de óbitos, em 2017, rondou os 13 mil, de acordo com os últimos dados da ONUSIDA.

 

 

C/ Angop

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (247)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (13)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (16)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (61)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação