Connect with us

Sociedade

Pastor alerta perigo dos lideres religiosos se envolverem em campanha eleitoral

Published

on

O pastor da Igreja Cristã de Angola (ICA), Manuel Pembele, alertou nesta sexta-feira, 10, sobre o perigo do envolverem directamente dos lideres religiosos em campanha política partidária, e sublinha a importância do seu papel como cidadão e cristão numa sociedade.

O também líder religioso, que falava ao Correio da Kianda, afirma que “nesta época eleitoral é o momento em que os pastores, padres e outros responsáveis de igrejas, vendem a alma ao diabo e ao mesmo tempo é neste período em que se deve recuperar a alma vendida ao diabo, para que venha servir para algo de bem”.

Manuel Pembele chama atenção aos seus colegas de sacerdócio, a prestarem maior atenção, pois, “é neste período que existe aquilo que chamamos a compra de votos, compra de cérebros ou até mesmo ofertas milagrosas que faz com que as pessoas percam as suas sensibilidade e esquecem que já vinham a sofrer por muito tempo e que querem hipotecar a vida da maioria por uma simples gasosa”.

O pastor sublinha que falar de questões de eleição não é mal, numa dimensão de educação cívica eleitoral, no sentido que cada cidadão tenha consciência de como exercer o seu direito ao voto. Mas, alerta, “também ter a consciência de que este voto será  oferecido, aquém? Por quê? E elevar a razão aos cidadãos do que esperam daquele e deste candidato”.

Para aquele religioso, os lideres religiosos não devem se misturar na política. Entretanto, “enquanto cidadãos vão exercer o seu direito ao voto, mas como lider religioso ele tem um papel diferente de fazer com que, com base nas verdades bíblicas os cidadãos estejam cosncientes das suas responsabilidades perante a Deus e das suas responsabilidades perante aos governantes que lideram o país”, disse e acrescentando que em nenhum momento o líder religioso deve fazer lucros ou usufruir da hegemonia dos fiéis para fazer lucro com os políticos.

“Os lideres religiosos devem ter muito cuidado em não usar este período através dos fies, que são elementos necessários e matéria prima para os políticos”, enfatiza o religioso.

“Nesta altura as igrejas devem orar a favor de todas as forças políticas, sem bajulação e sem parcialidade”. Para Manuel Pembele, neste momento as igrejas devem estar imparciais buscando Deus para o bem de todos, e para aquele que venha governar olha para o povo e que seja temente a Deus.