Connect with us

Sociedade

Passageiros de comboio em Benguela atiram-se contra superlotação

Published

on

O desespero tem como causa,  a  redução do número de carruagens para 18, em relação às anteriores 30. As dificuldades, são vividas  sobretudo pelos   passageiros que utilizam semanalmente a rota Moxico/Huambo.

A redução do número de carruagens para 18, em relação às anteriores 30, está a criar inúmeras dificuldades aos passageiros que utilizam semanalmente a rota Moxico/Huambo. O representante do Conselho da Administração do CFB, no Moxico, lamentou o facto de a retirada das carruagens ter reduzido a capacidade de transporte de 2.700 passageiros, para os actuais 1.830.

Augusto Funete afirmou que as carruagens foram retiradas por alguns problemas operacionais e técnicos. “O acto causou um aumento significativo no número de passageiros”, disse, preocupado com as enchentes registadas nas bilheteiras.

Para agravar o problema, destacou, a Direcção de Exploração do Caminho-de-Ferro de Benguela emitiu um comunicado que autoriza a paragem dos comboios apenas nas sedes provinciais, municipais e comunais.

A medida, de acordo com vários cidadãos, está a agravar ainda mais a situação dos passageiros que aguardam o embarque e desembarque nas estações que o CFB retirou das operações.

O passageiro Domingos Sérgio, que pretende viajar para o Huambo em tratamento médico, disse estar, há duas semanas, a tentar adquirir um bilhete de passagem, mas sem sucesso. “É preciso rever o funcionamento dos comboios”, apelou, acrescentando que,  além do número reduzido de carruagens, é preciso impor a disciplina entre os  funcionários, incluindo os efectivos da segurança.

O comboio, destacou o passageiro Tomé Sapalo, tem sido uma das principais alternativas utilizadas para chegar a Luanda e às províncias do Sul do país. “É o único meio de transporte que tem facilitado muitas pessoas”, sublinhou, acrescentando que nos últimos meses não tem sido fácil adquirir os bilhetes.

Com Jornal de Angola 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *