Connect with us

Politica

Participação de Angola na Cimeira EUA-África foi positiva, diz Téte António

Published

on

O ministro das Relações Exteriores avaliou, em Washington, como positiva a participação de Angola na cimeira Estados Unidos – África, convidada pelo presidente norte-americano, Joe Biden, para traçar novos horizontes nas relações de cooperação com o continente africano.

Téte António, fazendo o balanço da participação de Angola neste evento que reuniu vários líderes africanos na capital norte-americana, de 13 a 15 deste mês, referiu que o país conseguiu divulgar ainda mais a sua diplomacia económica junto de actores importantes de diversos sectores da economia americana.

“O balanço que levamos da nossa actuação, em Washington, é positivo. Pensamos que, do ponto de vista nacional, foi uma agenda bastante rica e proveitosa”, realçou, nesta, sexta-feira, 16, o chefe da diplomacia angolana, lembrando que o Presidente da República teve uma agenda virada, essencialmente, para a diplomacia económica.

Neste âmbito, João Lourenço manteve, durante a permanência nos EUA, encontro com a administradora da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), Samantha Power, com quem abordou assuntos de interesse bilateral, lembrando que um dos objectivos da USAID passa por apoiar os parceiros a tornarem-se auto-suficientes e capazes de liderar as próprias jornadas de desenvolvimento, cita o Jornal de Angola.

O presidente participou, também, numa mesa redonda promovida pela Câmara de Comércio dos Estados Unidos da América, com mais de 20 empresas, onde aproveitou para voltar a convidar os empresários americanos a investirem no país, em sectores não petrolíferos.

O presidente João Lourenço participou, igualmente, no Congresso Anual da Exim Bank, agência oficial de crédito à exportação dos Estados Unidos, que reuniu várias personalidades ligadas ao sector empresarial norte-americano.

O Congresso Anual da Exim é o evento mais importante da instituição. Concedeu, ainda, audiência ao presidente do Banco Mundial, David Malpass.

O ponto mais alto da acção desenvolvida pelo Presidente da República, no âmbito da diplomacia económica, foi a sua participação no Fórum de Negócio, um dos pontos mais altos da cimeira EUA-África. Foi neste encontro que o Presidente Joe Biden anunciou a disponibilização de vários milhões de dólares para apoiar diversos projectos em África.

Em relação aos temas abordados durante a cimeira EUA-África, o ministro das Relações Exteriores, Téte António, salientou que estiveram à volta das prioridades definidas pelo continente africano, como, por exemplo, a paz, luta contra o terrorismo e construção de infra-estruturas.

“Não se pode falar de desenvolvimento e de Mercado Continental Africano sem que se tenha, primeiro, as infra-estruturas”, realçou. O chefe da diplomacia angolana disse ter sido, igualmente, abordado, na cimeira, a questão das mudanças climáticas, sublinhando que o continente africano precisa de cerca de 86 biliões de dólares para o programa de adaptação.

A soberania alimentar do continente foi, segundo Téte António, outro tema aflorado no encontro, tendo, a propósito, salientado que quem não consegue alimentar-se, dificilmente poderá falar de soberania, na medida em que aquele que fornece os alimentos pode, também, suspendê-lo e, deste modo, comprometer a soberania.

Téte António fez saber que os líderes africanos aproveitaram a cimeira para falar colocar na mesa das conversações questões que preocupam o continente, como as sanções contra o Zimbabwe e da lei adoptada pelos EUA contra os países africanos que fazem negócios com a Rússia.

“A África reivindicou que essa lei fosse levantada”, aclarou. O chefe da diplomacia angolana ressaltou que outra questão reivindicada pelos estadistas africanos, nesta cimeira, foi a inclusão de África no Conselho de Segurança das Nações Unidas e no G20. Téte António disse que essa questão foi bem acolhida pelo Presidente norte-americano, que prometeu interceder a favor da entrada do continente nestas duas organizações.