Conecte-se agora

Politica

Parlamento inicia hoje debate do pacote legislativo autárquico

A Assembleia Nacional começa hoje a discutir o pacote legislativo com vista à realização das primeiras eleições autárquicas em Angola, previstas para 2020, estando por definir se a votação decorrerá simultaneamente ou não em todos os municípios.

Redação

Publicados

on

parlamento inicia hoje debate do pacote legislativo autárquico - parlamento - Parlamento inicia hoje debate do pacote legislativo autárquico

Os deputados vão apreciar e votar, na generalidade, nove propostas de lei sobre as autarquias, duas delas iniciativa da UNITA, as leis da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais e das Finanças Locais.

Do pacote legislativo autárquico constam também as leis Orgânica sobre as Eleições Autárquicas, Transferências de Atribuições e Competências do Estado para as Autarquias Locais e sobre a Organização e Funcionamento das Autarquias Locais, iniciativas do executivo.

Da agenda constam também as propostas de Lei sobre o Regime Financeiro das Autarquias Locais, do Regime Geral das Taxas das Autarquias Locais, da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais e sobre a Institucionalização das Autarquias Locais.

O gradualismo eleitoral é uma questão que divide o MPLA, partido no poder, e a UNITA, com o executivo a defender a realização da votação, numa primeira fase, apenas nalguns municípios, que ainda não explicitou, enquanto o “Galo Negro” defende a realização simultânea das autárquicas em todos os 164 municípios em que o país se divide administrativamente.

Isso mesmo foi reafirmado a 28 de março último pelo líder parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, que considerou a divergência como a “maior separação” que o partido tem face ao Governo (liderado pelo MPLA), que defende a realização gradual das eleições, numa primeira fase, em 2020, a segunda em 2025 e a terceira em 2030.

O MPLA, pela voz do seu líder parlamentar, Américo Kuononoka, disse no mesmo dia que o partido tem em conta, em primeira instância, o cumprimento da Constituição, que prevê o gradualismo nas autárquicas, argumentando que o facto de Angola ter passado por longos anos de guerra, atrasou o desenvolvimento e a presença do Estado em muitas das regiões angolanas.

Para Américo Kuononoka, o “mais sensato é fazer uma experiência piloto”, lembrando que as autarquias devem estar capazes para ter uma gestão, arrecadação de recursos de sobrevivência e recursos humanos, o que não se verifica ainda.

Em julho do ano passado, os bispos católicos angolanos pediram a realização de “autarquias supramunicipais ou inframunicipais”, exortando para o “respeito do princípio da igualdade e universalidade”, porque “não se justifica que se façam autarquias nalguns municípios e noutros não”.

 

C/ LUSA

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (223)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (6)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação