Connect with us

Mundo

Países ocidentais liderados pelos EUA denunciam ataque à Israel

Published

on

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse este sábado, 07, que Israel tem o direito de se defender e emitiu um aviso contundente ao Irão e a outras nações hostis a Israel. “Este não é o momento para qualquer parte hostil a Israel explorar estes ataques para obter vantagens. O mundo está a observar”, disse.

Um alto funcionário do governo Biden disse aos repórteres que os EUA estavam a trabalhar com outros governos para garantir que a crise não se espalhasse e fosse contida em Gaza.

Washington tem tentado chegar a um acordo que normalize os laços entre Israel e a Arábia Saudita, visto pelos israelitas como o maior prémio até agora na sua busca de décadas pelo reconhecimento árabe. Os palestinos temem que qualquer acordo deste tipo possa vender os seus sonhos futuros de um Estado independente.

Em todo o Médio Oriente, houve manifestações de apoio ao Hamas, com bandeiras israelitas e norte-americanas incendiadas e manifestantes agitando bandeiras palestinianas no Iraque, Líbano, Síria e Iémen.

O ataque do Hamas foi abertamente elogiado pelo Irão e pelo Hezbollah, os aliados libaneses do Irão.

Muito depois do anoitecer, os residentes ainda não tinham recebido autorização para voltar para casa.

Retaliação 

O Hamas disse que disparou uma nova saraivada de 150 foguetes contra Tel Aviv na noite de sábado, em retaliação a um ataque aéreo israelense que derrubou um prédio alto com mais de 100 apartamentos.

O vice-chefe do Hamas, Saleh al-Arouri, disse à Al Jazeera que o grupo mantinha um grande número de prisioneiros israelenses, incluindo altos funcionários. Ele disse que o Hamas tinha prisioneiros suficientes para fazer com que Israel libertasse todos os palestinos nas suas prisões.

O Hamas, que defende a destruição de Israel, disse que o ataque foi motivado pelo que considerou serem os ataques crescentes de Israel aos palestinos na Cisjordânia, em Jerusalém e contra os palestinos nas prisões israelenses.

“Este é o dia da maior batalha para acabar com a última ocupação na terra”, disse o comandante militar do Hamas, Mohammad Deif, anunciando o início da operação numa transmissão nos meios de comunicação do Hamas e apelando aos palestinianos de todo o mundo para lutarem.

Gaza foi devastada por quatro guerras e incontáveis ​​escaramuças entre o Hamas e Israel desde que os militantes tomaram o controle da faixa em 2007. Mas as cenas de violência dentro de Israel foram além de qualquer coisa vista lá, mesmo no auge dos levantes da Intifada Palestina das últimas décadas.

O facto de Israel ter sido apanhado completamente desprevenido foi lamentado como uma das piores falhas de inteligência da sua história, um choque para uma nação que se orgulha da sua intensa infiltração e monitorização de militantes.

Em Gaza, uma estreita faixa onde 2,3 milhões de palestinos vivem sob bloqueio israelense há 16 anos, os moradores correram para comprar suprimentos. Alguns evacuaram suas casas e foram para abrigos.

Dezenas de palestinos foram mortos e centenas ficaram feridos em confrontos na fronteira com Israel, onde os combatentes capturaram o ponto de passagem e derrubaram cercas. Alguns dos mortos eram civis, entre multidões que tentavam entrar em Israel através dos portões danificados.

“Temos medo”, disse uma mulher palestina, Amal Abu Daqqa, à Reuters ao sair de sua casa em Khan Younis.

Com agências internacionais