Connect with us

Mundo

Países iniciam retirada de cidadãos do Sudão

Published

on

Nações ocidentais, árabes e asiáticas iniciaram a retirada dos seus cidadãos do Sudão esta segunda-feira, 24, enquanto o chefe da ONU alertou sobre o risco de “uma conflagração catastrófica” com repercussões mais amplas e instou as potências internacionais a exercer pressão máxima pela paz.

As evacuações estrangeiras incluíram um comboio de 65 veículos com dezenas de crianças entre diplomatas e trabalhadores humanitários em uma jornada de 800 km (500 milhas) e 35 horas sob um calor escaldante da capital Cartum, em apuros, até Port Sudan, no Mar Vermelho.

A explosão de violência entre os militares e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (RSF) em 15 de Abril matou pelo menos 427 pessoas, derrubou hospitais e outros serviços e transformou áreas residenciais em zonas de guerra .

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou em uma sessão do Conselho de Segurança da ONU em Nova York que a violência “arrisca uma conflagração catastrófica no Sudão que pode envolver toda a região e além”.

Instou ainda os 15 membros do Conselho a usar a sua influência para acabar com a violência e devolver o Sudão ao caminho da transição democrática após um golpe militar de 2021, após a queda do autocrata islâmico Omar al-Bashir para um levante popular.

“Devemos todos fazer tudo ao nosso alcance para tirar o Sudão da beira do abismo… Estamos com eles neste momento terrível”, disse, acrescentando que autorizou a realocação temporária de alguns funcionários e famílias da ONU.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que Washington está em contacto próximo com os líderes militares sudaneses e os pressiona para implementar acordos de cessar-fogo, bem como explorar opções para devolver a presença consular dos EUA ao Sudão o mais rápido possível.

Israel propôs na segunda-feira receber líderes sudaneses rivais para negociações de cessar-fogo, após o que chamou de progresso “muito promissor” nos esforços de mediação liderados por um alto funcionário israelense nos últimos dias. Não deu mais detalhes.

Dezenas de milhares de pessoas, incluindo sudaneses e cidadãos de países vizinhos, fugiram nos últimos dias, inclusive para o Egipto, Chade e Sudão do Sul, apesar da instabilidade e das difíceis condições de vida lá.

Por Reuters