Connect with us

Análise

Os grandes Hospitais em momentos adversos e desafiantes

Published

on

A greve dos médicos está a ofuscar um dos principais sectores com realizações desde a eleição de João Lourenço como Presidente da República de Angola e da sua auxiliar, ministra Sílvia Lutucuta: a construção e a reabilitação de hospitais de referência, bem como a melhoria da assistência médica e medicamentosa em todo o país.

Depois de Luanda ter conhecido a transformação do velho e degradado Sanatório num Complexo Hospitalar de Doenças Cardio-pulmonares, com a mais recomendável e necessária tecnologia de ponta, agora é a vez de Cabinda, como já foi a do Bié, as Lundas e  Moxico.

A província mais ao Norte do País ganhou, na quinta 21 de Abril, um Hospital Geral com capacidade para 200 (duzentas camas), repartidas: Enfermaria para adultos, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia, além dos Cuidados Intensivos, consumindo quatro dos nove pisos de que é constituído o edifício. O Hospital Geral de Cabinda passa a ser a principal unidade hospitalar nesta província, superando do ponto de vista de infraestrutura, especialidades e não só, o Hospital Provincial de Cabinda.

A par dessa unidade hospitalar de referência, funciona na Província, desde há poucos meses, um vistoso Centro de Hemodiálise de Cabinda, em que, angolanos, cabindenses que eram obrigados aprocurar pelos serviços próprios da hemodiálise, não precisem de procurar os serviços em outras localidades. Goste-se ou não da senhora simpatia, como é conhecida a ministra da Saúde, não se pode portanto ignorar que nestes cinco anos do mandato de João Lourenço, o Sector da Saúde é dos que mais tem conseguido concretizar e disponibilizar ao público grandes e relevantes iniciativas. Aliás, a gestão em momentos altos de pandemia da Covid-19, em que Angola manteve-se com números bastante aceitáveis, demonstram bem a capacidade de liderança de João Lourenço.

Não foram construídos apenas três ou quatro hospitais, o País conhece hoje mais de dez unidades de referência. Bié, foi uma das primeiras provinciais a conhecer e beneficiar um hospital dereferência – Hospital Walter Strangway, com capacidade para 230 camas, seguiram-se outras realizações, como o Novo Banco de Urgência do Hospital Pediátrico David Bernardino, que pode acolher 135 crianças, a Maternidade Provincial da Lunda-Sul, capacidade para receber 150 gestantes.

O Hospital Provincial, localizado em Saurimo, beneficiou de obras de reabilitação e tem hoje lugar para 150 internamentos.

Entretanto, da Saúde, só pode existir outras queixas, e não da falta de realizações no capítulo da construção, reabilitação de hospitais e melhoria das condições detrabalho. É apenas uma questão de mais investimento em recursos humanos, melhoria das condições de trabalho das equipas médicas, melhoria da assistência médica ou medicamentosa, que as realizações, hoje feitas, certamente terão os seus efeitos na vida das populações. Aliás, já iniciaram.