Connect with us

África

Operadora MTN de telefonia sul africana quer abandonar Guiné-Bissau

Published

on

A empresa de telecomunicações sul-africana MTN anunciou ao Governo da Guiné-Bissau que pretende abandonar o país onde opera desde 2004, no âmbito de uma estratégia de redefinição do grupo.

A informação foi ontem avançada pelo Presidente do Conselho de Administração da Autoridade de Regulação Nacional (ARN), João Frederico de Barros, à agência Lusa.
De acordo com o responsável, há mais de três meses que a MTN comunicou à entidade a intenção de vender a empresa a um outro grupo, numa estratégia que abrange também a Guiné-Conacri e a Serra Leoa.

“A MTN pretende concentrar-se, nesta nossa costa ocidental da África, apenas no Gana e na Nigéria”, observou o responsável da ARN.

Frederico de Barros considerou de “normal” a intenção da venda da empresa, mas salientou que a operação só poderá avançar se ocorrer dentro dos preceitos estipulados pela Lei de Bases do Sistema das Telecomunicações da Guiné-Bissau.

Actualmente, referiu, a MTN representa cerca de 30% da quota de mercado da rede de telefones móveis na Guiné Bissau, e só poderá ser vendida, entre outras obrigações, mediante o pagamento de “todas as responsabilidades perante o Estado guineense”, representado pela ARN.

Dados da ARN apontam para mais de um milhão de utilizadores de telefones móveis na Guiné-Bissau, indicou João Frederico de Barros.

O responsável guineense explicou ainda que a reguladora do sector das telecomunicações “aguarda pelo normal desenrolar do processo” de venda da MTN e que a empresa prometeu comunicar caso não encontre um comprador.

A MTN e a francesa Orange, também operadora de telefones móveis, é das poucas multinacionais a operar na Guiné-Bissau.

Colunistas