Connect with us

Politica

Operação Fizz: Tribunal ordena separação de processso de Manuel Vicente

Published

on

O Ministério Público Português, pediu esta manhã a separação do processo do ex-vice-presidente Manuel Vicente. Logo no início da sessão de julgamento da Operação Fizz que decorre hoje,  a procuradora Leonor Machado, justificou o seu pedido, de que este julgamento continue apenas com três arguidos, com a urgência e a boa administração da justiça – dado que o antigo procurador Orlando Figueira se encontra privado de liberdade há quase dois anos.

O coletivo que começou hoje a julgar a Operação Fizz interrompeu a sessão durante 10 minutos e decidiu aceitar o pedido da procuradora Leonor Machado – o MP decidiu substituir nas últimas horas o procurador José Góis.

No reinício, o coletivo referiu que foram analisadas várias normas para a decisão sobre a separação de processo, adiantando ser preciso haver motivos fortes dado que a existência de um julgamento unitário é algo amigo da celeridade processual, de uma decisão unitária e da administração da boa justiça. Disse o juiz presidente que um pedido deste género só pode ser aceite pela procura de uma maior justiça, lembrando que o arguido Orlando Figueira está privado de liberdade há vários meses

O juiz presidente do coletivo, Alfredo Costa, acrescentou que quanto a Manuel Vicente, este não se encontra formalmente constítuido arguido, isto apesar de ser arguido porque foi deduzida acusação contra o mesmo.

Lembrou o juiz que hoje houve um dado novo, uma resposta de Luanda de que não cumprirá a carta rotatória que foi enviada pelas autoridades portuguesas. Uma situação que segundo o coletivo gera algum obstáculo.

Assim, concluiu o juiz, o tribunal “ordena a separação do processo de Manuel Vicente” por existir interesse ponderoso e atendível.

O Ministério Público Português, considera que Manuel Vicente, pagou 760 mil euros ao antigo procurador português Orlando Figueira para que este arquivasse o inquérito conhecido como Portmill, que visava aquele ex-governante. 

A investigação concluiu que os crimes terão sido praticados com o auxílio de Armindo Pires, homem de confiança de Vicente, e de Paulo Amaral Blanco, advogado do Estado Angolano em vários processos.

Após a acusação os arguidos Paulo Blanco e Orlando Figueira já tinham garantido que a investigação passou ao lado dos reais beneficiários do alegado esquema, chegando mesmo a apontar o dedo ao banqueiro angolano Carlos Silva e ao advogado Daniel Proença de Carvalho.

Na chamada Operação Fizz estão em causa crimes de corrupção, branqueamento de capitais e falsificação de documento.