Connect with us

Mundo

ONU pede ajuda de USD 585 milhões para apoiar refugiados da RDCongo

Redação

Published

on

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) necessita de 585 milhões de dólares para apoiar 1,1 milhões de refugiados da República Democrática do Congo em vários países, incluindo Angola.

Um comunicado do ACNUR, a que a agência Lusa teve hoje acesso, refere que, junto com 66 dos seus parceiros humanitários e de desenvolvimento, foi lançado um apelo de financiamento de 585 milhões de dólares para ajudar 1,1 milhões de refugiados da RDCongo em sete países vizinhos.

“Por mais de uma década, a RDCongo – um país que sofreu uma das mais difíceis e duradouras crises humanitárias na África – gerou centenas de milhares de refugiados que estão sendo generosamente hospedados em todo o continente africano, incluindo Angola (23.458), Burundi (79.662), República do Congo (19.791), Ruanda (74.696), Uganda (573.406), República da Tanzânia (78.571) e Zâmbia (58.911)”, refere-se no comunicado.

De acordo com o documento, a angariação de fundos deve-se à evolução e crescentes necessidades, bem como o aumento da pressão sobre os recursos em países que hospedam refugiados congoleses.

“O Plano Regional de Resposta a Refugiados da RDCongo (RRRP) requer 585 milhões de dólares para manter, aumentar e melhorar programas para proteger, educar, apoiar meios de subsistência e fornecer alimentação, saúde e nutrição, abrigo, água potável e saneamento”, realça o ACNUR.

O director do escritório da África Austral do ACNUR, Valentim Tapsoba, que actua como coordenador regional de refugiados para a situação da RDCongo, citado na nota, disse que a pandemia da covid-19 veio também acrescentar “mais uma camada de vulnerabilidade às necessidades de protecção e assistência dos refugiados e requerentes de asilo congoleses”.

“Os parceiros do RRRP adaptaram a programação ao contexto da covid-19 para manter os serviços de protecção crítica e outras formas de assistência para salvar vidas, ao mesmo tempo em que aumentam a assistência específica para os mais afectados pela pandemia”, sublinha a ONU no comunicado.

Também para reduzir a dependência da assistência humanitária, o plano da RDCongo promove a inclusão de refugiados nos sistemas nacionais e procura fortalecer a autossuficiência por meio da educação, formação e oportunidades de sustento de apoio para as comunidades de refugiados e de acolhimento.

“Através do RRRP, não estamos apenas a expressar as necessidades urgentes e de longo prazo dos refugiados congoleses, mas também exortamos os parceiros novos e existentes, as partes interessadas e outros atores importantes, a juntarem-se a nós na renovação do nosso compromisso colectivo de fornecer soluções abrangentes e duráveis para refugiados da RDCongo”, apelou Valentim Tapsoba.

Por Lusa

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (23)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (86)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (17)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2021 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD