Connect with us

Politica

ONU: João Lourenço pede libertação imediata de Alpha Condé

Published

on

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, exigiu esta quinta-feira, em Nova Iorque, a libertação imediata e incondicional do deposto Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, detido pelos militares autores do golpe de Estado no início deste mês.

João Lourenço intervinha perante a Assembleia Geral das Nações Unidas, no quadro do debate de alto nível da sua 76ª sessão, iniciado terça-feira e a decorrer até 27 deste mês.

O chefe de Estado instou a comunidade internacional  a agir com mais firmeza e determinação para desencorajar as mudanças inconstitucionais de regimes em África, em vez de se limitar a emitir simples declarações condenatórias.

Disse ser preocupante o facto de que a alteração da ordem constitucional que se regista amiúde, em países africanos, com recurso à força militar, não têm merecido uma reacção adequada e suficientemente vigorosa da comunidade internacional.

Citando como exemplos os casos do Mali e, mais recentemente, da Guiné-Conacri, João Lourenço afirmou ser necessário desencorajar esta prática “a todos os títulos reprovável”.

Por isso, reiterou o seu apelo à comunidade internacional para actuar “com tenacidade” e não proferir apenas declarações de condenação, “por forma a forçar os actores de tais actos a restituírem o poder aos órgãos legitimamente instituídos”.

“Não podemos continuar a permitir que exemplos recentes como os da Guiné e outros prosperem, em África, e em outros continentes. Esta constitui uma grande oportunidade para os chefes de Estado e de Governo aqui reunidos exigirem, em uníssono, a libertação imediata e incondicional do Presidente da República da Guiné, o Professor Alpha Condé”, sublinhou.

O Presidente angolano mostrou-se igualmente preocupado com as ameaças à paz e à segurança mundial que se mantêm por acção de grupos extremistas no Sahel africano, na República Democrática do Congo (RDC), em Moçambique e noutras regiões do planeta.

Na sua opinião, estas situações obrigam a comunidade internacional a mobilizar-se continuamente para reforçar a capacidade de resposta a esta actividade perigosa que atenta contra a estabilidade social e económica dos países visados.

Lamentou ainda “o regresso do mercenarismo”, com o recrutamento a partir de qualquer parte do mundo, de profissionais sem exército,  pagos para matar, para desestabilizar países, para depor políticos e regimes democraticamente eleitos mas incómodos.

Disse tratar-se de um fenómeno antes fortemente condenado e combatido “mas  hoje infelizmente  encorajado e alimentado por forças poderosas que se escondem no anonimato”.

Sobre a Etiópia, convidou as Nações Unidas, a União Africana e de uma forma geral a Comunidade Internacional a encorajar as autoridades etíopes a encontrar os melhores caminhos para pôr fim ao conflito na região do Tigray.

Para o Presidente João Lourenço, é imperioso afastar-se a ameaça de uma catástrofe humanitária, antes que possa ganhar contornos mais graves e seja tarde demais.

Por Angop 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (18)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (25)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (89)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (21)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania