Connect with us

Economia

ONU anuncia crescimento do PIB de Angola em 2018

Published

on

O relatório das Nações Unidas sobre a Situação Mundial e Perspectivas Económicas (WESP), divulgado na segunda-feira em Nova Iorque, indica que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Angola fica este ano em 1,9 por cento, no próximo sobe para 2,7 por cento e deve manter-se estável até 2019.

No conjunto dos países da Comunidade de Língua Portuguesa (CPLP), Timor-Leste e São Tomé e Príncipe são os países com boas perspectivas de crescimento do PIB, tanto este ano como nos próximos dois anos. O PIB de Timor Leste deve crescer este ano 5,1 por cento, enquanto em 2018 sobe para 5,5 por cento e em 2019 para 5,8 por cento. O PIB de São Tomé e Príncipe fica este ano em 5,0 por cento e 5,3 por cento no próximo e em 2019.

A Guiné-Bissau é outro estado da CPLP que deve verificar bons indicadores no seu PIB, sendo de 5,4 por cento este ano, 4,8 por cento em 2018 e 5,1 por cento em 2019. Nas perspectivas económicas da ONU, melhor que Angola estão também Moçambique e Cabo verde, que devem ver o seu PIB crescer, quase que de forma estável, em torno dos 4,0 por cento até 2019.
Pior que Angola fica o crescimento do PIB do Brasil (0,7 por cento este ano, 2,0 por cento em 2018 e 2,5 por cento em 2019), de Portugal (1,6 por cento este ano, 1,4 por cento em 2018 e 1,2 por cento em 2019) e da Guiné Equatorial (menos 5,9 por cento em 2017, menos 5,9 por cento em 2018 e menos 3,6 por cento em 2019).

Decisores devem apostar
O relatório das Nações Unidas sobre a Situação Mundial e Perspectivas Económicas (WESP) diz que o crescimento global de 3,00 por cento, o maior desde 2011, deve fazer os decisores políticos apostarem em temas de longo prazo.

“Uma melhoria na economia global, agora a crescer 3,00 por cento, permite uma reorientação política para temas de longo prazo, como as mudanças climáticas, as desigualdades existentes e a remoção de obstáculos institucionais ao desenvolvimento”, lê-se no relatório económico mais importante da Organização das Nações Unidas.

Comentando o documento, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, disse que o relatório “demonstra que as condições macroeconómicas actuais oferecem aos decisores políticos uma folga maior, para lidarem com a raiz dos problemas que continuam a limitar o progresso sobre os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável”.

O relatório dá conta de que as melhorias económicas são globais, “com cerca de dois terços dos países a terem um crescimento maior em 2017 do que no ano anterior”, o que faz a economia mundial expandir-se 3,00 por cento nos próximos dois anos.

“A recente retoma no crescimento mundial emana, principalmente, do firme crescimento em várias economias desenvolvidas, apesar de a Ásia Ocidental e do Sul continuarem a ser as regiões mais dinâmicas, tendo representado quase dois terços do crescimento mundial no ano passado, com a China a contribuir com quase metade”, explica o documento.

Apesar das boas notícias, “a economia global continua a enfrentar riscos, incluindo as mudanças na política comercial, uma súbita deterioração nas condições financeiras globais e o aumento das tensões geopolíticas”.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *