Connect with us

Mundo

OMS aprova vacina contra a malária desenvolvida em África

Published

on

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse na quarta-feira, 06, que a primeira vacina aprovada pela organização contra a malária deve ser amplamente dada às crianças africanas, potencialmente marcando um grande avanço contra uma doença que mata centenas de milhares de pessoas anualmente.

A recomendação da OMS é para RTS, S – ou Mosquirix – uma vacina desenvolvida pela farmacêutica britânica GlaxoSmithKline (GSK.L).

Desde 2019, 2,3 milhões de doses de Mosquirix foram administradas a crianças em Gana, Quênia e Malaui em um programa piloto de grande escala coordenado pela OMS. A maioria das pessoas que a doença mata tem menos de cinco anos.

Esse programa ocorreu após uma década de testes clínicos em sete países africanos.

“Esta é uma vacina desenvolvida na África por cientistas africanos e estamos muito orgulhosos”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Usar esta vacina, além das ferramentas existentes para prevenir a malária, pode salvar dezenas de milhares de vidas jovens a cada ano”, acrescentou ele, referindo-se a medidas anti-malária como mosquiteiros e spray para matar os mosquitos que transmitem a doença.

Um dos ingredientes da vacina Mosquirix é proveniente de uma árvore perenifólia rara, nativa do Chile, chamada árvore Quillay. A Reuters relatou na quarta-feira que o fornecimento de longo prazo dessas árvores está em questão.

A malária é muito mais mortal do que o COVID-19 na África. Matou 386.000 africanos em 2019, de acordo com uma estimativa da OMS, em comparação com 212.000 mortes por COVID-19 confirmadas nos últimos 18 meses.

A OMS afirma que 94% dos casos e mortes por malária ocorrem na África, um continente de 1,3 bilhão de pessoas. A doença evitável é causada por parasitas transmitidos às pessoas por picadas de mosquitos infectados. Os sintomas incluem febre, vômito e fadiga.

A eficácia da vacina na prevenção de casos graves de malária em crianças é de apenas 30%, mas é a única vacina aprovada. O regulador de medicamentos da União Europeia o aprovou em 2015, dizendo que seus benefícios superavam os riscos.

“É assim que lutamos contra a malária, colocando ferramentas imperfeitas umas em cima das outras”, disse Ashley Birkett, que lidera o trabalho global de vacinas contra a malária na Path, uma organização de saúde global sem fins lucrativos que financiou o desenvolvimento da vacina com a GSK e os três -piloto de país.

Outra vacina contra a malária chamada R21 / Matrix-Mthat, desenvolvida por cientistas da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, mostrou eficácia de até 77% em um estudo de um ano envolvendo 450 crianças em Burkina Faso, disseram os pesquisadores em Abril. Ainda está em fase de teste.

O GSK acolheu a recomendação da OMS.

“Esta decisão histórica tão esperada pode revigorar a luta contra a malária na região em um momento em que o progresso no controlo da malária estagnou”, disse Thomas Breuer, director de saúde global da GSK, em um comunicado.

As acções da GSK se mantiveram estáveis em Nova York após o anúncio, que ocorreu após o fechamento das negociações de suas acções listadas em Londres.

Com Reuters

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (18)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (25)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (89)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (21)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania