Conecte-se agora

Diversos

Oito dos 16 deputados da CASA-CE passam a independentes

Oito dos 16 deputados da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE) demarcaram-se hoje daquela bancada, alegando “um conjunto de vicissitudes” que têm “atrapalhado o normal desempenho” da coligação de partidos.

Redação

Publicados

on

anúncio foi feito hoje, em Luanda, pelos deputados Lindo Bernardo Tito, Carlos Candanda, Leonel Gomes, Odete Joaquim, Vitória Chivukuvuku, Abel Lubota, Sampaio Mucanda e Lourenço Domingos e surge na sequência da decisão tomada terça-feira por cinco dos seis partidos da coligação, que indicaram ter exonerado Abel Chivukuvuku da liderança daquela força política, a terceira mais representativa no parlamento angolano.

Na ocasião, esses cinco partidos indicaram para a liderança da coligação André Mendes de Carvalho “Miau”, que é também líder do grupo parlamentar da CASA-CE.

Hoje, numa conferência de imprensa, o deputado Leonel Gomes indicou que o processo de desintegração dos oito parlamentares, que permanecerão na Assembleia Nacional como independentes, está a correr os trâmites junto do presidente do parlamento, Fernando Piedade Dias dos Santos “Nandó”.

Leonel Gomes informou que foram vários os motivos que levaram ao desvincular daquele grupo parlamentar, nomeadamente o não cumprimento dos acordos estabelecidos e assinados pelas partes, “em clara violação aos acordos assumidos”.

O deputado da CASA-CE considerou também como “intempérie” a “clara interferência do Tribunal Constitucional na inviabilização [decisão anterior] da transformação da CASA-CE em partido político, contra a vontade manifestada em congresso por três dos quatro partidos coligados à data dos factos”.

“A solicitação dos partidos coligados ao Tribunal Constitucional, no sentido de dividirem em partes iguais o dinheiro do OGE [Orçamento Geral do Estado] resultante das eleições gerais de 2017, atribuídos à CASA-CE entre si”, bem como a “constante chantagem de quem se filiar nos partidos coligados será expulso da CASA-CE” são outras das motivações que levaram à desintegração dos oito deputados independentes, dos 16 eleitos nas listas daquela coligação, em 2017.

A exoneração de Abel Chivukuvuku da liderança da CASA-CE, coligação criada em 2012 e atualmente constituída por seis partidos políticos, foi anunciada em conferência de imprensa, na terça-feira, em que os cinco partidos alegaram “quebra de confiança”, depois de mais de um ano de divergências, que opunham as forças políticas e militantes independentes.

Apenas o Bloco Democrático (BD) esteve ausente dessa conferência de imprensa, em que participaram dirigentes do Partido para o Desenvolvimento e Democracia de Angola – Aliança Patriótica (PADDA-AP), Partido de Aliança Livre de Maioria Angolana (PALMA), Partido Nacional de Salvação de Angola (PNSA), Partido Pacífico Angolano (PPA) e Partido Democrático para o Progresso de Aliança Nacional Angolana (PDP-ANA).

Sobre os problemas existentes a nível do parlamento, Leonel Gomes disse hoje que, agora como deputados independentes, a situação “fica clarificada”.

De acordo com o deputado, no parlamento, a direção da bancada parlamentar “tudo fez para boicotar” a intervenção dos oito deputados.

“Dividiram entre si o pouco tempo que existe e cada um falava os minutos que o regimento da Assembleia Nacional permite para intervenção por deputado. Agora as coisas ficam mais clarificadas e teremos os nossos direitos perfeitamente salvaguardados”, disse.

Por sua vez, Lindo Bernardo Tito, vice-presidente do grupo parlamentar, disse que foi comunicado ao líder da bancada parlamentar a suspensão da participação do grupo de oito deputados até que a situação evoluísse positivamente.

“Infelizmente, em resposta a uma situação, recebemos retaliações, não houve capacidade de reconciliar e entramos na fase de chantagem, sobre quem fica onde e com quem, ou seja, ou sai da função ou obedece”, explicou Lindo Bernardo Tito.

Na quarta-feira, em declarações à agência Lusa, Abel Chivukuvuku disse ter tomado conhecimento do seu afastamento pela comunicação social e que o mesmo “não tem qualquer respaldo legal”.

“Sem preocupação, porque entendi que é meramente uma comunicação que não tem força legal e só o Tribunal Constitucional pode confirmar quem é o líder da CASA-CE, e por isso, vou aguardar que o tribunal se pronuncie, até lá, estou sereno e tranquilo”, disse Abel Chivukuvuku.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (224)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (6)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação