Connect with us

Educação Financeira

Oito Conselhos para quem acede a contas bancárias no telemóvel

Published

on

Estamos no mês de Janeiro. Ano 2022. Primeiro mês do ano e conhecido como “mês da fome”. No dia 8 de Janeiro entraram em vigor um conjunto de medidas por via do Instrutivo 24/2021, de 7 de Dezembro do Banco Nacional de Angola com novas possibilidades de levantamentos e aumentos nos valores a levantar nos ATM, aumento das transferências bancárias por dia e nos cheques.

Como já pôde ler, estamos quase sempre a falar de meios de pagamento modernos, tecnológicos, automáticos, ao alcance de cliques ou toques em ecrãs tácteis. São as tecnologias ao serviço do sistema financeiro e os consumidores de produtos e serviços financeiros com acesso e poder de movimentação como nunca na História e a evolução será sempre para mais tecnologia e menos contacto humano entre os clientes dos bancos e o Pessoal das instituições financeiras.

Os telemóveis mais básicos ou mais modernos e inteligentes permitem fazer um conjunto de operações bancárias com recurso a este objecto, que parece que é a continuação do nosso corpo…

Se não consegue largar o telemóvel e o usa até para ver como estão as suas finanças, siga estes conselhos para quem acede a contas bancárias no telemóvel e desta forma ter o controlo sobre a sua vida financeira.

O uso dos telemóveis entrou de tal forma na nossa rotina que, muitas vezes, nem pensamos bem se o que estamos a fazer é seguro. Totalmente seguro.

Este problema assume uma maior gravidade em alguns contextos, e por esse motivo tornam-se tão importantes os conselhos para quem acede a contas bancárias no telemóvel: é fundamental que os utilizadores tenham consciência das vulnerabilidades destes dispositivos e saibam evitar as fraudes.

Antes de começarmos, saiba que o ideal é não utilizar o telemóvel para aceder às contas bancárias. Pense que este é um dispositivo muito fácil de perder ou de ser roubado, e que os sistemas operativos móveis não são propriamente conhecidos pela resistência aos ataques. Assim, sempre que puder, prefira um computador ou, melhor ainda, uma caixa ATM. Eu, por exemplo, não uso as aplicações dos meus bancos nem o Multicaixa Express.

Que regras de segurança deve ter sempre atenção quando acede à(s) conta(s) bancária(s) via telemóvel:

1- Dê preferência às redes seguras

Não é a mesma coisa usar a Internet através da rede de casa de um amigo ou através de uma rede pública disponível num café ou num cyber café. As redes de internet têm graus de segurança diferentes e, quanto mais utilizadores permitirem, mais provável é que estejam a ser vigiadas por alguém mal intencionado. Telefones e computadores com vários utilizadores podem ter escondidas aplicações que vigiam e gravam o nome dos utilizadores e as palavras-passe.

A utilização de redes de Internet seguras está entre os conselhos para quem acede a contas bancárias no telemóvel porque, através delas, é relativamente fácil monitorizar a actividade dos dispositivos conectados. Com algum conhecimento técnico, qualquer pessoa pode ver o que o seu telemóvel está a fazer online e, pior, pode recolher a informação que insere no teclado.

2- Use sempre a app do banco

Outro dos conselhos para quem acede a contas bancárias no telemóvel é usar sempre a app oficial do banco, em vez de visitar a página da internet através do browser.

O motivo é simples: por serem construídas pelos bancos propositadamente para aquele fim – e porque, antes de serem disponibilizadas ao público, tiveram de cumprir um conjunto de regras de segurança -, as aplicações bancárias têm estruturas encriptadas e mais fortes do que os navegadores normais que todos temos nos telemóveis.

3- Não guarde informação bancária no telemóvel

Este está no conjunto de conselhos para quem acede a contas bancárias no telemóvel, mas é válido até para quem não usa o telemóvel para ver os movimentos da conta: nunca, nunca, nunca guarde informação confidencial no telefone.

Pode ser o PIN do cartão de débito, pode ser o número de contrato, pode ser o IBAN. Tudo isto é informação sensível e pode ser usada contra si se for combinada com os elementos certos. Arranje alternativas: um papel, a memória, o que quiser. O que importa é que o seu telemóvel não guarde este tipo de informação. Nem fotos dos extractos bancários ou em formato pdf. Imagine que alguém vê o saldo da sua conta bancária…

4- Instale um antivírus

Já muitas marcas disponibilizam antivírus para telemóveis.

Mais uma vez, não podemos dizer-lhe que está 100% seguro (quem está, hoje em dia?), mas está certamente mais protegido do que a maioria dos utilizadores comuns – o que certamente o levará para trás na fila de vítimas de ataques informáticos.

5- Active o bloqueio de ecrã

Acredite ou não, bastam uns segundos para “entregar” um telefone desbloqueado a um ladrão. Só precisa de ter o sistema de bloqueio de ecrã desactivado ou mais lento: nos segundos de intervalo entre o momento em que pousa o telemóvel na mesa e ele bloqueia, qualquer pessoa mal intencionada pode pegar e levar.

Assim, o nosso conselho é que não só mantenha o sistema de bloqueio do ecrã activo como se certifique que só pousa o telemóvel depois de ele bloquear.

6- Mantenha as apps actualizadas

Mesmo que use a app do banco, todos os conselhos para quem acede a contas bancárias no telemóvel passam por manter as aplicações actualizadas. Além de melhorias de usabilidade e correcção de bugs, as actualizações trazem quase sempre melhorias de segurança, pelo que deve instalá-las o quanto antes.

Lembre-se que a maioria das melhorias de segurança surgem na sequência da detecção de vulnerabilidades, o que quer dizer que, quando as actualizações são lançadas, já existe um vírus ou malware a tentar atacar o seu sistema.

7- Mantenha-se em contacto com o banco

Ninguém sabe mais sobre segurança dos dados bancários do que os próprios bancos. Se algo lhe parecer estranho na sua aplicação ou no site que normalmente usa para aceder à conta, pare imediatamente a utilização e entre em contacto com o banco para confirmar se está tudo bem. Mesmo que seja fora de horas das agências estarem fechadas, fins-de-semana e feriados, os bancos têm linhas de apoio telefónico (call center). Olhe no verso do seu cartão Multicaixa e encontrará esses contactos telefónicos. Além disso, também não faz mal nenhum se, de vez em quando, confirmar com o banco o registo de acessos online à sua conta – assim, se alguma app estiver a ver o que não devia, o banco vai dizer-lhe.

8- Tenha cuidado com as permissões

Sempre que instala uma aplicação no telemóvel – mesmo que seja um jogo ou outra coisa aparentemente inofensiva – o sistema pede-lhe para dar permissões ao novo programa. Estas permissões podem ir do acesso à sua lista de contactos até ao acesso aos registos de navegação e de actividades de outras apps, e é aqui que tem de ter os olhos bem abertos: nunca dê a uma aplicação permissões para algo cuja finalidade não entende.

Os telemóveis são, de facto, ferramentas inegavelmente úteis, mas também podem representar uma ameaça à nossa segurança se não estivermos atentos. Tenha cuidado com o que faz e, sobretudo, com o que autoriza – é que depois de autorizar o acesso à informação dificilmente pode queixar-se de ter sido roubado.

No mês de Janeiro e com a mudança de ano, tenha novos cuidados como gere o seu dinheiro e como acede a ele. Se operações rotineiras custam taxas nos ATM e TPA, ter todo o cuidado como interage com o seu banco via telemóvel é fundamental. Cuidar desta parte ajuda e colabora a passar um mês de Janeiro sem ser o mês da fome ou carências, mas ser um mês com novas atitudes.

Boa semana!

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Isaura

    14/01/2022 at 12:50 pm

    Obrigada pela dica, vou já colocar em prática

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (31)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (27)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (91)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (23)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania