Connect with us

Mundo

Ocupação israelita dos territórios palestinianos tem de acabar – ONU

Published

on

O secretário-geral das Nações Unidas considerou inaceitável a rejeição de Israel da solução dos dois Estados, defendendo que a ocupação israelita dos territórios palestinianos tem de acabar.

António Guterres disse, num debate do Conselho da ONU, que o direito do povo palestiniano a construir o seu próprio Estado independente tem de ser reconhecido por todos, e que qualquer recusa de aceitar a solução dos dois Estados por qualquer parte tem de ser firmemente rejeitada.

O primeiro-ministro israelita tem manifestado oposição pública à solução dos dois estados num eventual cenário pós-guerra e garante que quer assumir o controlo total da Faixa de Gaza, apesar de já ter sido admoestado pelo presidente norte-americano, Joe Biden, e também pelo chefe da diplomacia europeia.

Guterres defendeu ainda que a negação ao povo palestiniano do direito à condição de Estado prolongaria indefinidamente um conflito que se tornou uma ameaça à paz e à segurança globais, disse que isso exacerbaria a polarização e encorajaria os extremistas em todo o mundo.

Ontem, o Chefe de Estado angolano, João Lourenço, defendeu a criação de um Estado soberano e independente da Palestina, quando discursava na cerimónia de cumprimentos de Ano Novo, dirigida ao corpo diplomático acreditado em Angola.

João Lourenço assinalou no seu discurso, que, antes que o povo palestiniano seja completamente exterminado, enquanto é tempo, as Nações Unidas, nomeadamente o seu Conselho de Segurança, devem dar passos concretos para a materialização das suas próprias resoluções, que reflectem a vontade expressa da esmagadora maioria dos seus membros.

O número um do Governo de Angola considera necessária a criação de um  Estado independente e soberano da Palestina, como única forma de se pôr um fim definitivo ao que considera “velho e muito violento conflito”, colocando os dois povos (judeu e palestiniano) e os dois Estados de Israel e da Palestina, a viverem lado a lado, em paz e harmonia, cooperando de forma normal como é suposto acontecer entre países vizinhos que partilham fronteiras comuns.

https://correiokianda.info/guerra-no-medio-oriente-jlo-defende-criacao-do-estado-independente-e-soberano-da-palestina/