Connect with us

Opinião

O prolongamento das “falácias” voltou a “borrar”

Published

on

Uma jovem – dizem que é jornalista da Rádio 5 – disse ontem no programa Prolongamento da TV Zimbo, que o facto de o atleta do Ferrovia do Huambo ter ficado sem salários durante três meses considera-se como rescisão do contrato de trabalho e, por isto, livre para celebrar outros contratos com quem ele bem entendesse, pelo que não entende, segundo a “expert” do programa, os motivos da retirada de pontos a equipa do Huambo por parte da FAF.

A seguir, a jovem foi bem aplaudida pelos companheiros do painel, Mosquito da Cahala, Alegre, analista e o Presidente do Ferrovia…

Com certeza que, a partir de casa, também foi aplaudida por um banho de gente, como uma mulher jovem que fez uma análise perfeita, com invocação de um artigo lido e interpretado, que, a nosso ver, longe das regras de hermenêutica jurídica.

Agora entendo porquê, em 2013, um professor da UCAN, dizia-nos que detestava ver ou ouvir debates e noticiários de Angola.

PS: O Prolongamento da Zimbo, depois do programa das FALÁCIAS, que não se recomenda a ninguém, voltou a ter um painel débil, pobre, medíocre, para a dimensão que o espaço conseguiu e que me deixou com a seguinte questão, na garganta:

– A realização do programa e da própria Zimbo têm noção de quem, realmente, segue o espaço?

É verdade que todos temos o direito de manifestar as nossas ideias, nossos pensamentos, mas precisamos ver quem chamar para falar para um público heterogéneo…

O painel da edição de ontem, segunda-feira, 28 foi tão pobre que, sinceramente, enxota qualquer um que tem um nível cognitivo mais ou menos estruturado!

Ver e ouvir o que aqueles “miúdos” diziam, inclusive a respeito de Paulo Duarte e o seu Primeiro de Agosto, é um atentado a saúde mental de um gajo que entenda de futebol…

Para terminar, alguém tem de avisar a nossa jovem jornalista que aposte nas reportagens, edições e deixe os comentários para outras pessoas, pois, análise, interpretação e o comentário são coisas que requerem “estrada”.

Espero ter contribuído para melhor.

Forte abraço!

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas