Connect with us

Mundo

“O nacionalismo da vacina não faz sentido”, diz nova líder da OMC

Ngozi Okonjo-Iweala é a primeira mulher a liderar a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Published

on

A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala, que foi esta segunda-feira nomeada para chefiar a Organização Mundial do Comércio (OMC), alertou para um “nacionalismo da vacina”, que poderá retardar o processo de acabar com a pandemia global.

“O nacionalismo da vacina, nesta altura, não faz sentido, porque as variantes estão a chegar. Se outros países não estiverem imunizados, irão existir consequências”, afirmou, citada pelo Guardian.

A primeira mulher e a primeira africana a liderar a OMC indicou à Reuters que a sua principal prioridade é assegurar que a OMC faz mais no âmbito do combate à pandemia.

“A OMC pode contribuir muito mas para ajudar a parar a pandemia. Ninguém está seguro até que todos estejam seguros”, disse.

No seu entender, os membros da organização devem acelerar o processo de levantamento de restrições de exportação, quando estão a bloquear a transição de medicamentos e material médico.

A antiga ministra das Finanças nigeriana irá iniciar funções na OMC no dia 1 de Março.

Com Lusa

Colunistas