Conecte-se agora

Mundo

Mundo recorda Nelson Mandela, pai da luta contra o apartheid

Cinco anos atrás morria Nelson Mandela, pai da luta contra o apartheid. Muitas as iniciativas e cerimônias em todo o mundo para lembrar sua figura e seu extraordinário exemplo em defesa dos direitos humanos.

Redação

Publicados

on

- nelson mandela - Mundo recorda Nelson Mandela, pai da luta contra o apartheid

Em 5 de dezembro de 2013, aos 95 anos, faleceu Nelson, o primeiro presidente eleito da África do Sul, cujo sonho, em parte realizado, era construir uma sociedade na qual todos os sul-africanos brancos ou negros pudessem caminhar de cabeça erguida “dando vida a uma nação em paz consigo mesma e com o mundo”. A sua morte, após a enésima infecção pulmonar, deixa em lágrimas os pequenos e os grandes da Terra, eternamente gratos àquele que soube com a força dos humildes, mudar a história.

Liberdade para todos

Se Mandela tinha dificuldades para respirar devido à tuberculose, contraída durante a longa prisão em Robben Island, que durou mais de 20 anos, na verdade, nunca parou de fazê-lo pela causa da paz e da liberdade. E cinco anos depois de sua morte, seus pensamentos, palavras e ações ainda respiram por ele. “Onde há pobreza e doença, onde os seres humanos foram oprimidos, há mais trabalho a fazer – repetia incessantemente – e a nossa tarefa é a de garantir a liberdade para todos.” Um compromisso compartilhado também pelo Papa Francisco, que constantemente invoca a igualdade e o respeito pela dignidade de cada ser humano, exortando especialmente os Chefes de Estado e de Governo a agirem para “superar todas as formas de intolerância, racismo e instrumentalização da pessoa humana”.

Combater as novas discriminações

O apartheid, triste legado do colonialismo do século passado, ao qual Mandela foi capaz de pôr fim na África do Sul, depois de ser ele mesmo vítima, sofrendo junto com a prisão, torturas, violências, injustas acusações e calunias, ainda está presente em formas de xenofobia, de exclusão social e corre o risco de aumentar especialmente nesta fase histórica em que existem processos de migração não só em direção da Europa, mas também dentro da própria África.

O legado de Mandela

Por isso é necessário recordar a sua morte para dar nova vida a todas as batalhas saudáveis pela liberdade, pela justiça e pelo fim da discriminação. Prêmio Nobel da Paz em 1993, “Embaixador da Consciência” para a Anistia Internacional em 2006, e firme defensor da luta contra a AIDS, Mandela, carinhosamente chamado Madiba, encontrou a solução que ainda inspira milhões de pessoas, associações e ONGs que movem seu compromisso em defesa dos direitos humanos: não ceder ao rancor pelo interesse de todo um povo, curar as feridas, escolher sempre o perdão em vez da vingança.

Cecilia Sepia, Silvonei José/ Vatican News

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (205)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (8)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (11)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (50)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD