Connect with us

Educação Financeira

O Dinheiro no Namoro

Published

on

O início de uma relação amorosa é um bom momento que envolve sentimentos e emoções. Envolve duas pessoas, independentemente do género. Geralmente só se pensa que nos namoros há apenas o sentimento do Amor, Paixão, Lealdade, Fidelidade, mas há também a existência do chamado “sentimento”, isto é, dinheiro.

No namoro é um bom momento para falar de dinheiro? Logo que o parceiro ou a parceiro diz: – “sim”, é um bom momento para colocar as «balizas» sobre o tema dinheiro? Ou é melhor evitar o tema e conversar de finanças apenas quando vocês se decidirem morar juntos ou se casar? Vale a pena se endividar para agradar a pessoa amada ou é melhor deixar claro quais os programas a dois que cabem no bolso de cada um?

“Dinheiro não deve ser um tabu”, ou seja, um não assunto ou um assunto que não se fala entre os namorados, neste caso. No início do namoro não é preciso entrar em detalhes das finanças, “mostrar a planilha do orçamento de cada um”, os extractos das contas bancárias, mas é importante que o casal faça programas que caibam no bolso de ambos. É comum, até mesmo, pessoas se endividarem no começo de um relacionamento para ostentar uma situação financeira que não é a sua própria. “financeira desde o início do namoro.

Vou deixar alguns conselhos para que o casal possa, efectivamente, construir uma relação amorosa saudável, incluindo no assunto “finanças”, pois é frequente entre os namorados haver queixas sobre como é gerido o dinheiro e ser um sinal para o futuro, caso os casais levem por diante, sob a forma de viver juntos ou casarem-se e com isso haver compromissos morais, éticos e legais.

Seguem 7 conselhos úteis, actuais e construtivos para os namorados e os namorados e o dinheiro:

1- Não finja ser mais rico do que é… saibam dividir as despesas
Prezados casais, viva e viva intensamente a relação amorosa pesando o Amor e o Dinheiro, de forma sustentada e sem colocar a obrigação sempre do mesmo lado, pelo que em Angola é dada essa obrigação ao homem. Haja bom senso pelo lado da mulheres e perceber que o Amor também é vivido a dois na hora de pagar a conta do restaurante, do gelado, etc.
Estamos em mudança de tempos, mesmo antes da pandemia do Covid-19 e agora perante a pandemia, pelo que convido a quem pensa que o namorado ou a namorada é o “BNA” ou «Bar Aberto», se deixe, igualmente, de viver e comentar em alto e bom som que «se partiu as pernas» ao namorado ou à namorada (extorsão financeira).

2- Tenham controlo das finanças
A vida a dois precisa de sinceridade e transparência também quando o assunto é dinheiro. Quando um esconde a situação do outro, ocorre a chamada infidelidade financeira, que pode levar à separação do casal. Por pior que estejam as contas, é melhor dizer a verdade e resolverem juntos, pois o hábito de esconder os problemas financeiros pode resultar em desastres mais à frente, quando o par já estiver morando junto.

3- Conta à Ordem
Pode parecer inusitado ou fora do contexto, mas a abertura de uma conta à ordem num qualquer banco, em que os 2 compõem a “Ficha de Assinaturas” e têm os dois cartões Multicaixa, é um verdadeiro teste de como no futuro poderão funcionar enquanto casal casado ou em união de facto.

4- Poupem para situações esperadas e inesperadas
O momento de noivado, tema falado na semana passada, envolve custos, como o anel de noivado. Deixo o repto aos homens para pouparem mensalmente a quantia monetária que podem poupar para este momento esperado.

Por outro lado e a vida é rica em «mudanças de planos» e momentos inesperados, entesourar ou poupar com fim de reserva financeira, é uma atitude responsável e que evita endividamento em situações extraordinárias.

5- Não discutir por dinheiro
O o orçamento ideal do casal deve ser transparente, com todas as contas abertas. Dentro desse orçamento, procurem separar uma espécie de “mesada” para cada um, para que a pessoa tenha o direito de usar o dinheiro como bem entender. “Homens adoram gastar com tecnologias e carros, já as mulheres, com roupas e produtos de beleza. Separar essa mesada evita essas discussões.

6- Lembrar sempre o lazer
Parte do rendimento dos subsídios de férias caso sejam assalariados ou um deles, pense em viajar, nem que seja por Angola, que é tão linda, mas também um roteiro por lugares bonitos num dia Domingo, num feriado.

7- O «tamanho» do Amor não se mede pelo valor dos presentes
Você não precisa, necessariamente, comprar um presente para demonstrar seus sentimentos. E mesmo que queira comprar algo, lembre-se que o sentimento importa mais que o valor do presente. Por vezes há a tendência para valorizar o Amor de acordo com as prendas que se recebe. Quem dá também pode ter este tipo avaliação pelo Amor que nutre pelo(a) seu/sua namorado(a).

Queridos namorados, casais de tenra idade até ao «infinito», o Amor é um sentimento que sozinho é incapaz de manter os casais unidos, se pelo meio há informação e modos de vida que isoladamente ou em conjugação com outras situações, não geram confiança. Ame, entregue-se, mas seja racional também, para que não hajam razões para a separação, e muito menos seja o Dinheiro a separar o casal que Deus uniu.

Deus vos abençoe e vos mantenha unidos na saúde, na felicidade e a prosperidade material e financeira seja suficiente para vocês, e tenham sempre, mas sempre o bom senso e urbanidade para dialogar sobre o dinheiro.

Professor Daniel Sapateiro
Economista e Docente Universitário

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (13)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (25)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (88)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (21)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2021 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD