Connect with us

Opinião

O círculo da morte feito “show”!

Published

on

Vi um vídeo em que um jovem está a arder em volta de um pneu!

Não acabei de o ver porque o choque foi insuportável e fiquei triste!

Triste comigo mesmo!
Triste com o ser humano!
Triste com aquela cena macabra!

Triste com todos que assistiam a luta daquele coitado que, na verdade, é vítima da sociedade a que todos somos partes!

Triste com todos que, ao meio dos gritos, chamas num corpo igual ao nosso, nada mais fizeram do que pegar nos telemóveis, filmar e fazer fotos que cada um tem guardadas como se de uma prenda se tratasse!

Triste com quem, diante daquilo, nada mais fez do que largar sorriso e bater cintar ao ombro do amigo do filme!

Triste com homens e mulheres, jovens e adultos, crianças e velhos que, no suspiro final do jovem, no estender dos braços, esticar dos pés, no abaixar da cabeça, fruto da perda do fôlego atiravam contra ele, inocentes dos seus actos, bidões para aumentar o sofrimento do pobrezinho!

Triste com essa sociedade que por ignorância do que se faz, adopta posturas contrárias à essência da vida humana!

Triste comigo mesmo por, de per si, não ver, de imediato, o que fazer para punir, nos termos de todas às ordens normativas, todos os envolvidos!

Triste com o Estado que, diante disso nada poderá fazer para punir todos que estiveram naquele círculo da morte!

Triste com o Estado que, face a mais um caso nada poderá fazer para mostrar aos demais que quem assim agir a resposta será dura!

Triste com os pais, filhos que pensam que assim se fez justiça!

Triste com quem pensa que ainda estamos no tempo da vingança!

Triste com quem pensa que o “dente por dente olho por olho” ainda vigora!

Triste com as comunidades que pensam que assim se combate o crime!

Triste comigo mesmo por saber que mesmo com estas esfarrapadas palavras ninguém me vai dar ouvido;
Ninguém me vai dar importância;
Ninguém me vai ler, de facto;
Ninguém me vai levar à serio;
Ninguém vai tirar proveito disso!

Triste comigo mesmo porque me vão dizer que defendo bandidos por nunca ter sido assaltado!

Triste com às rádios, TV, Jornais e outros órgãos que, mesmo com o vídeo, acham que está tudo bem!

Triste com jornalistas, fazedores de opinião, actores políticos, religiosos, advogados que, com acções inaceitáveis, ficam no partilho do video, calados e na normalidade!

Triste com às instituições do Estado que, passado algum tempo, e mais tempo, ainda não falaram, não gritaram, não romantizaram, não resmungaram, pelo menos!

Triste com aquela comissão de moradores cujo coordenador remete-se a um silêncio tumular!

Triste com os donos das casas em volta que, diante daquela crueldade, cruzaram os braços, fecharam às portas!

Triste com quem que, mesmo indignado com à macabra cena, não se dignou em ligar para o 111, mesmo na pura gratuidade!

Triste, triste e muito triste comigo mesmo que, mesmo indignado, nada, ou seja, pouco posso fazer e ser ouvido!

Triste comigo mesmo que, diante da minha frustração, mesmo querendo, não posso convocar uma acção de massa para repudiar, alertar que tal prática não agrada nem a Deus nem às autoridades terrenas por ele instituídas!

Triste comigo mesmo que, mesmo em posse do vídeo (já apagado do telemóvel) não posso localizar, deter, condenar aqueles desumanos e já criminosos!

Triste comigo mesmo que pouco ou nada posso fazer para reeducar, ressocializar os autores daquela barbárie!

Enfim, triste comigo mesmo por fazer parte de uma sociedade que tudo perdeu;
Tudo esqueceu;
Tudo ignorou;
Tudo deitou;
Tudo desconhece e tudo quer ter, hoje, já já e sem custos, suor e esforço!
Triste com o CÍRCULO DA MORTE FEITO “SHOW”!

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Saraiva Baptista

    09/03/2021 at 2:55 pm

    Contente provavelmente ficarias se esse cabra safado mata-se alguém. A bem pouco um delinquente “vitima da sociedade como frisou” matou um padre colombiano. Triste é ver triste quem defende os delinquentes e se cala perante a acção deles. Não vi aqui retractada sua tristeza pela morte de um homem de bem..Paz eterna a alma do padre Manuel Jauregui Veiga.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *