Connect with us

Educação Financeira

O amor e os presentes

Published

on

Considera que o amor se apresenta sob a forma de presentes e presentes caros?

O tema de hoje vem no seguimento do que tenho ouvido, visto na vida real e nas redes sociais. Elizângela Gomes, apresentadora de televisão e distribuidora de conteúdos nas redes sociais recebeu um ramo de rosas com cem rosas vermelhas. Esta foi a última vez que lidei com a situação de forma indirecta, pois não fui eu que ofereci o ramo de rosas avaliado em Kz 300.000,00 (trezentos mil Kwanzas).

O dia dos namorados a 14 de Fevereiro, datas de aniversário e outras datas sem qualquer registo sobre alguém ou algo são datas passíveis de se oferecer ou receber presentes, sejam eles chocolates, rosas, um carro, um telemóvel, etc.

Quanto consumimos dos nossos rendimentos para querer agradar a alguém? É óptimo oferecer algo a alguém e é melhor ainda receber presentes. Sou a favor de um de outro caso, diga-se. A questão que levanto, é quanto do orçamento se retira para este fim? As questões que devemos colocar sempre são, no meu entendimento, as seguintes:

– Vou dar um presente directamente a essa pessoa ou por intermédio de alguém?

– É conveniente a forma de entrega, por exemplo no serviço onde a pessoa trabalha?

– A data, o contexto é o melhor para tal?

– A pessoa merece? Pode parecer estranha a pergunta, mas pensando bem…

– Quanto custa o presente? Esse valor coloca em causa a minha estabilidade financeira?

– Vou endividar-me? Vou pedir dinheiro emprestado?

Antes de fazer algo, tendo consiciência que está extremanente feliz ou triste, emocionado de uma forma geral, evite tomar decisões de compra. A questão do sentido psicológico condiciona e muito decisões de aquisição de bens e serviços. Por outro lado, em caso de tristeza, o cérebro humano funciona e muito com as compensações. Para mitigar a “dor”, o sofrimento, a carência, compra algo ajuda a levantar a moral, pelo que o presente funciona como um factor de compensação.

O amor é lindo, mas tudo tem que ter a devida medida, pelo que um presente para a pessoa certo, no tempo certo, pela forma certa e pelo valor justo e enquadrado no seu orçamento, é uma boa forma de estar na vida e no amor.