Connect with us

Justiça

Norberto Garcia em prisão domiciliar

Published

on

Tribunal Supremo fez saber que na sequencia da acusação formulada pelo Ministério Publico, foram pronunciados pela pratica de crimes de associação criminosa, fabrico e falsificação de títulos de credito, falsificação de documentos e uso de documento falso, burla por defraudação na forma frustrada, promoção e auxilio a imigração ilegal e trafico de influencia, os arguidos, Ernesto Manuel Norberto Garcia e o general na reforma José Arsenio Manuel, Celeste de Brito e mais mais 4 cidadão Tailandeses e um eritreu aos quais foi lhes aplicada a medida de coação de prisão domiciliar, prevista no artigo 33 da lei 25/15 de 18 de setembro – Lei das medidas Cautelares em processo penal.

General reformado José Arsénio Manuel, presidente do Conselho de Administração da “Ondjwo Yeto”, cooperativa ligada às Forças Armadas, que, segundo a acusação, foi utilizada para dar consistência ao alegado “esquema fraudulento” com origem num suposto fundo tailandês.

A fase de instrução e investigação do processo que ficou conhecido como “Burla à Tailandesa” terminou no final de Junho.
Os arguidos vão agora a julgamento acusados da prática dos crimes de associação criminosa, fabrico e falsificação de títulos de crédito, falsificação de documentos e uso de documento falso, burla por defraudação na forma frustrada, promoção e auxílio à imigração ilegal e tráfico de influência.