Connect with us

Mundo

Nobel da Paz atribuído a campanha para abolir armas nucleares

Published

on

Num período conturbado em que a utilização de armamento nuclear é um dos principais temas mundiais, o Comité Nobel norueguês decidiu atribuir o Prémio Nobel da Paz à Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares.

“Vivemos num mundo em que o risco de utilização de armas nucleares é maior do que alguma vez foi”, declarou Berit Reiss-Andersen, líder do Comité Nobel da Noruega.

A ICAN pauta-se por ser uma coligação de ativistas que pretende o desarmamento nuclear. Foi premiada pelo seu trabalho nas negociações que terminaram com a criação de um tratado para proibir armas nucleares, juntamente com as Nações Unidas.

“A organização foi agraciada com este prémio pelos seus esforços para captar atenção para as catastróficas consequências humanas das armas nucleares e pelos esforços inéditos para alcançar um tratado baseado na proibição de tais armas”, declarou a presidente do Comité Nobel.

A Campanha Internacional sucede ao Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, na atribuição do Prémio Nobel da Paz, pelos esforços realizados para restaurar a paz na Colômbia.

Trabalho desenvolvido à escala global

A ICAN trabalha há muito por um travão à utilização de armamento nuclear. A coligação é não-governamental e está presente em mais de 100 países. Nasceu na Austrália, mas foi formalmente instituída em 2007 em Viena.

Em julho deste ano, a ICAN foi responsável pela criação de um tratado (apoiado pelas Nações Unidas) que proíbe a utilização de armamento nuclear. 

Apesar da adoção do documento por parte de 122 países, entre os quais Portugal, os principais Estados com armas nucleares, como Estados Unidos, Reino Unido, Rússia, China e França, não assinaram o tratado e descreveram-no como uma “diversão”.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas