Connect with us

Opinião

Negócios com ritmo: o palco onde cultura e comércio dançam

Published

on

As feiras em Angola, tal como são actualmente conhecidas, destacam-se como espaços de comércio essenciais, mas estão em plena transformação para se tornarem vibrantes festivais de cultura e hospitalidade. Eventos emblemáticos como a Feira Internacional de Luanda (FILDA) e a Expo Feito em Angola (EFA) detêm o potencial para transcender as tradicionais transacções comerciais e se transformarem em epicentros pulsantes de troca cultural e vitalidade económica.

Imagine o que seria possível se essas feiras evoluíssem para algo mais: lugares onde os ritmos de Semba e Kizomba enchem o ar, e tecidos tradicionais como a Kanga e a Samakaka são exibidos com orgulho, cada estande celebrando tanto a inovação quanto a tradição. As feiras são eventos organizados onde empresas e indivíduos exibem e vendem seus produtos ou serviços, abrangendo vários tipos:

* Feiras Comerciais – Focadas em negócios entre empresas.
* Feiras de Consumidores – Abertas ao público, focadas em vendas directas.
* Feiras Culturais – Celebram a arte, música e tradições de uma comunidade.
* Feiras Agrícolas – Especializadas em produtos e tecnologias agrícolas.
* Feiras de Tecnologia – Centradas em inovações e produtos tecnológicos.

Investir em feiras pode ser altamente lucrativo, não só pelo potencial de vendas directas, mas também pela oportunidade de criar relações de longo prazo com clientes e parceiros. Este é o potencial ainda não totalmente realizado das feiras em Angola: transformar espaços comerciais em locais onde a cultura palpita com energia, onde a comunidade se fortalece, e onde o potencial económico da nossa nação é celebrado por todos. Convidamos a todos para se juntarem nesta jornada de transformação, trabalhando juntos para que cada feira reflicta verdadeiramente o espírito vibrante e resiliente do povo angolano.

Celebrando Benguela: Feira Internacional de Benguela

Com a Feira Internacional de Benguela (FIB), 2024 em Benguela a coincidir com as celebrações do 406º aniversário da cidade, existe uma oportunidade única para transformar estes encontros. Benguela, situada no centro sul de Angola, não apenas se destaca como uma região industrial em ascensão, mas também se configura como um ponto crucial de convergência para oportunidades no agronegócio, turismo, indústria e pescas.

Integrando as feiras com eventos culturais mais amplos, como festivais de música e mostras gastronómicas, podemos ampliar seu apelo e impacto. Esta sinergia não só impulsiona o turismo como também aprofunda o envolvimento dos visitantes com a cultura angolana. A colaboração com hotéis e agências de viagens poderia oferecer pacotes que incluem bilhetes para as feiras, visitas guiadas pela cidade e descontos em restaurantes locais, proporcionando uma experiência holística aos visitantes.

Por exemplo, imagine um visitante que vem à Angola especificamente para a FIB em Benguela. Após explorar a feira, ele tem a opção de estender sua estadia para participar de experiências locais enriquecedoras. Pode optar por um passeio pelas belas praias da Baía Azul, conhecidas pela sua tranquilidade e beleza natural, ou talvez uma visita ao Parque Nacional da Chimalavera, que não só oferece uma escapada pitoresca, mas também uma chance de ver a fauna local em seu habitat natural.

Outra opção fascinante seria uma viagem cultural à cidade de Lobito, que está a uma curta distância de Benguela. Lobito, com o seu famoso Porto e a arquitectura colonial preservada, oferece uma rica tapeçaria de história e cultura. Além disso, os visitantes podem explorar o Museu de Arqueologia de Benguela, que destaca artefactos e exposições que narram a história da região, ou participar de um tour cultural em Catumbela, conhecido por suas influências culturais diversificadas e significado histórico.

Essa integração não só enriquece a viagem do visitante, mas também espelha os benefícios económicos mais amplamente através do turismo. Durante o mês de Maio, a Província de Benguela celebra suas festas da cidade, conhecidas como as festas das Acácias Rubras, com uma ampla gama de actividades socioculturais, desportivas e económicas.

Este é um momento perfeito para integrar as feiras com esses eventos, criando um ambiente onde a cultura e o comércio coexistem harmoniosamente. Eventos paralelos como a Feira Agro-pecuária, o Fórum Angola – União Europeia e a Feira da Gastronomia “Paladares Mil” podem transformar Benguela num destino vibrante para turistas e investidores.

Crescendo juntos: estratégias para fortalecer comunidades

Para assegurar que as comunidades locais beneficiem directamente destes eventos, uma colaboração mais estreita entre os organizadores das feiras, as autoridades locais e os grupos comunitários é essencial. Treinar os residentes locais para actuarem como guias turísticos ou desenvolver pavilhões comunitários na feira pode criar oportunidades de emprego e crescimento sustentáveis. Além disso, apresentar danças tradicionais e música na feira pode promover a preservação cultural e manter a herança viva entre as gerações mais jovens.

Estes eventos devem ser projectados para serem acessíveis a todos os angolanos, independentemente de sua localização geográfica ou capacidade financeira. A inclusão de programas de formação e capacitação pode ajudar os pequenos produtores a melhorar a qualidade dos seus produtos e a competir em mercados mais amplos.

Além disso, os benefícios económicos das feiras devem ser compartilhados de forma justa. Incentivar os negócios locais a desenvolverem produtos e serviços que possam ser vendidos ou oferecidos aos visitantes é uma forma eficaz de garantir que os lucros gerados pelas feiras beneficiem directamente as comunidades anfitriãs.

A cooperação entre os diferentes sectores da sociedade é crucial para o sucesso dessas iniciativas. A promoção de uma cultura de colaboração e apoio mútuo pode ajudar a superar os desafios económicos e sociais que muitas comunidades enfrentam. Assim, as feiras não só promovem o crescimento económico, mas também reforçam os laços comunitários e a identidade cultural.

Um chamado à acção: por feiras mais culturais e inclusivas

Reimaginar as feiras de Angola como festivais que celebram a nossa riqueza cultural pode transformá-las de meros eventos comerciais em experiências memoráveis que promovem o crescimento económico e a coesão social. Trabalhemos juntos — organizadores, empresas locais, grupos culturais e entidades governamentais — para garantir que cada feira seja uma janela para o melhor que Angola tem para oferecer.

Através deste esforço colaborativo, podemos tornar as feiras de Angola em eventos vibrantes e inclusivos que reflectem o espírito e a diversidade da nossa nação. A FILDA e a FIB já são marcos importantes no calendário económico angolano, mas com uma visão renovada e um compromisso com a inclusão e a sustentabilidade, podem tornar-se verdadeiros símbolos de orgulho nacional e de desenvolvimento sustentável. Vamos aproveitar o potencial das feiras para promover não apenas o comércio, mas também a cultura, o turismo e a comunidade, criando um futuro mais próspero e harmonioso para todos os angolanos.

Colunistas