Connect with us

Sociedade

Mulheres marcham contra violência

Published

on

Um grupo de mulheres da sociedade civil marchou, neste domingo, na capital do país, para repudiar os actos de violência doméstica em Angola.

A manifestação partiu do Largo da Independência e terminou no Cemitério da Santa Ana, com a participação de pouco mais de duzentas mulheres.

À marcha, que decorreu sem incidentes, juntaram-se pelo menos 50 homens, que “engrossaram” os apelos ao Executivo para a adopção de soluções imediatas e eficientes para travar as práticas de violência no país.

Dados oficiais dão conta que, só em 2018, mil e 866 casos de violência foram registados nos centros de aconselhamento familiar do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, a maioria envolvendo mulheres.

Desses registos, mil e 553 casos foram denúncias de mulheres e 340 de homens, sendo na sua maioria casos de ofensas corporais e morais, desalojamentos, recusas da paternidade e violência intra-familiar.

Durante a marcha, as manifestantes exibiram cartazes com dizeres  “Parem de matar as mulheres”, “Violência Basta”, “Chega de violência contra a mulher”, “Quero ser respeitada” e “Lugar de agressor é na cadeia”.

A porta-voz da marcha, Samba Alfredo, explicou à Angop que se pretendeu com esse acto de repúdio despertar as mulheres que vivem “presas” e acreditam que a violência é sinónimo de amor.

Entre as participantes da marcha esteve a directora nacional dos Direitos da Mulher, Igualdade e Equidade do Género do Masfamu, Sónia Doutel.

A Polícia Nacional fez o asseguramento integral da marcha.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *