Conecte-se agora

Politica

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades: Moco pede prudência na alteração à Constituição

Redação

Publicados

on

- moco e lopo - Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades: Moco pede prudência na alteração à Constituição

O antigo primeiro-ministro de Angola (1995-1996), Marcolino Moco, afirmou, nesta segunda-feira, que é contra “uma revisão constitucional de imediato”, por ser um processo complexo e pelo facto de o país enfrentar uma transição política.

Em declarações à imprensa, após lançar mais uma obra literária intitulada “Angola: Estado Nação ou Estado-Etnia Política”, afirmou que não defende uma revisão constitucional com urgência, por causa de muitos problemas constatados que derivam da transição antes e depois de 2017.

Desde a sua aprovação, em 2010, algumas vozes da sociedade, em paricular da oposição, sugerem alterações à Carta Magna, por entenderem haver alegada “concentração de poderes na figura do Presidente da República”.

A Constituição determina, no artigo 108, que o Presidente da República é o Chefe de Estado, o titular do Poder Executivo e o Comandante-em-Chefe das Forças Armadas Angolanas.

O Presidente da República exerce o poder executivo, auxiliado por um Vice-Presidente, Ministros de Estado e Ministros.

Para Moco, igualmente constitucionalista, a situação actual é “muito complexa e elaborar uma nova constituição é outra complexidade”.

Segundo o escritor, que já vai na sua sexta obra literária, a elaboração da próxima Constituição da República deve ser “concessual, melhor pensada, porque a de 2010 foi feita às pressas”.

Defendeu que, com a actual Carta Magna de 2010, se as práticas forem boas, assentes numa ética e numa moral ao serviço do bem comum, não haverá muitos prejuízos.

O seu livro, de 232 páginas e com um resumo em inglês (“Angola in Africa: Nation-state or political-ethnicity”), apresenta uma teoria para explicar a razão dos conflitos nos países africanos, com o exemplo de Angola.

Para o autor do Manual que já foi lançado em Portugal, há três anos, a razão dos conflitos deve-se à semelhança com as formas de gestão europeias, herdadas durante os períodos de colonização.

Segundo a teoria deste antigo secretário-executivo das Comunidades dos Países de Língua Portuguesa (CPLP, 1996-2000), os conflitos em África podem resolver-se com uma maior representatividade das diversas etnias e regiões na composição dos governos, porém, a herança dos Estados europeus impede isso.

Defende, entretanto, o reforço do pan-africanismo, aproveitando, desde já, os elementos positivos trazidos pela colonização, como a modernização de África e juntá-los aos valores positivos que também já existiam nas sociedades tradicionais, e seguir em frente.

Importa realçar que, Moco, sempre deixou claro que era conta a Constituição aprovada em 2010, que na sua opinião era uma constituição  atípica e moldada na figura do antigo presidente José Eduardo dos Santos.

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (223)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (6)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação