Conecte-se agora

Destaque

MPLA vai controlar comportamento dos militantes nas redes sociais

Redação

Publicados

on

mpla vai controlar comportamento dos militantes nas redes sociais - image gallery - MPLA vai controlar comportamento dos militantes nas redes sociais

Ao discursar no acto de abertura da 4ª reunião ordinária do comité nacional da JMPLA, António Paulo Cassoma explicou que, com a aprovação do “Código de Conduta”, não se pretende coarctar a criatividade ou liberdade de expressão dos militantes.

O propósito, disse, é maximizar a energia e a vontade dos militantes cibernautas em acções em prol do engrandecimento do MPLA e da unidade de acção no seio do partido, abstendo-se de contribuir em campanhas, por vezes veladas, de desacreditação do Executivo, dos dirigentes e do partido, fazendo o jogo dos adversários e detractores políticos. “Daí a razão de a JMPLA ter a iniciativa de adoptar medidas complementares que possam engajar os seus militantes, amigos e simpatizantes e utilizadores das redes sociais a assumirem uma postura que vá de encontro aos desígnios do partido”, frisou Segundo António Paulo Cassoma, a utilização das redes sociais tem merecido uma especial atenção da direcção do partido, fazendo com que surgissem novos campos de análise e discussão fora dos meios de comunicação social.
O secretário-geral do MPLA explicou que, nestas plataformas electrónicas, a informação é difundida e transmitida instantaneamente através de mensagens sem a mediação das instituições, dos agentes públicos e dos governos e, na maior parte dos casos, estas informações não estão comprometidas com a verdade, ética e com as fontes credíveis de informação.
“O MPLA estimula a presença dos seus militantes nas redes sociais, pois acredita que esta pode ser benéfica para ampliar o raio de acção dos desígnios defendidos pelo partido e exorta que os mesmos tenham uma postura responsável e abstenham-se de partilhar informações susceptiveis de manchar a sua imagem e a dignidade dos seus dirigentes, ou serem atentatórias à coesão interna do partido”, disse António Paulo Cassoma
O secretário-geral do MPLA acrescentou que o mandato que se inicia, resultante das eleições de 23 de Agosto, exigirá da organização juvenil maior disciplina, coesão, rigor e superação permanente para que o partido possa continuar a consolidar a liderança dos processos de transformação política, económica e social por via da execução do programa de governação para o período 2018 – 2022, sufragado pelos eleitores.
Segundo António Paulo Cassoma, o partido maioritário atribui aos jovens, na execução deste programa, uma importância fundamental como principais agentes e actores do processo de transformação, para que a estabilidade política, económica e social, geradora do crescimento e do desenvolvimento do país, seja assegurada de forma efectiva e contínua.
O secretário-geral da JMPLA, Sérgio Luther Rescova, informou que a participação da JMPLA no processo eleitoral a nível do país foi visível, exemplar e determinante e contribuiu significativamente para a vitória do partido.
Luther Rescova garantiu que o MPLA continua a ser o partido com maior aceitação por parte da juventude e que em cumprimento das tarefas orientada pelo seu presidente, José Eduardo dos Santos, e o comité central, a JMPLA reafirma o seu compromisso e o engajamento total nas tarefas ligadas ao desenvolvimento dos mais variados sectores da sociedade, contribuindo de forma activa para a materialização do lema do partido “Melhorar o que está bem e corrigir o que está mal”.
A quarta reunião ordinária do Comité Nacional da JMPLA está a analisar o relatório do comité nacional referente a 2016, o plano de actividades do comité nacional referente a 2017, bem como o relatório sobre a participação da JMPLA na campanha eleitoral, entre assuntos internos. Participaram no encontro, que terminou ontem, membros do comité nacional das 18 províncias.
Fundada em 1962, durante a pimeira Guerra de Libertação Nacional, a JMPLA é o viveiro do MPLA. A organização foi uma força dinâmica que mobilizou os jovens para a luta e assumiu para si a educação moral e política dos jovens na guerrilha.
Por decisão do partido, em 1976, a JMPLA transformou-se de organização de massas para organismo juvenil do partido. De lá para cá realizou a primeira Conferência Nacional, em Outubro de 1978, o I Congresso, em 1981, o II, em 1987, o III, em 1991, o IV em 1998 e o V Congresso Ordinário, em 2002.
Secretário-geral do MPLA anuncia aprovação de um código de conduta para os militantes sobre a actuação nas redes sociais

Estamos a corrigir o que está mal!

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (204)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (8)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (11)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (50)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD