Connect with us

Politica

“MPLA não traz perspectiva de governação para futuro”, afirma líder da JURA

Published

on

O líder da Juventude Unida Revolucionária de Angola (JURA) e deputado, Agostinho Lopes Kamuango, afirmou esta sexta-feira, 28, que o partido que governa para este mandato não traz nenhuma perspectiva para o futuro da juventude angolana. O político da UNITA fez tais declarações durante uma conferência de imprensa, que marcava as celebrações de 48º aniversário da JURA, realizado em Luanda.

“A JURA, enquanto vanguarda da UNITA, sempre deu seu contributo nas fases que tem marcado o percurso histórico da UNITA”, disse o deputado.

De acordo com Agostinho Kamuango, a instituição que dirige, assume-se como pilar fundamental que sustenta a acção fundamental da UNITA junto das camadas mais jovens da população angolana transmitindo os fundamentos e trazendo destas as espirações para um engajamento mais consistente na busca das melhores soluções para os seus problemas.

O político sublinha que o 48º aniversário da fundação da JURA comemora-se numa altura em que “as expectativas da maioria dos angolanos foi frustrada, com a realização das eleições gerais de 24 de Agosto, que visava alternância do poder político”. O deputado reitera que mais uma vez foi adiado o sonho de uma Angola melhor.

O dirigente partidário levou a reflexão dos membros da JURA a uma reflexão profunda sobre o que se pretende para uma Angola futura, fase segundo o jovem, a um regime autocrata que para se manter no poder atenta contra os princípios e valores da integridade nacional e pisoteia a constituição e a Lei, sequestrando a imprensa publica e interferindo na espera jurídica de outros partidos.

Agostinho Kamuango, disse que estamos diante de um regime em que o Presidente da República chama para si, todos poderes de soberania, violando assim, o princípio de separação de poderes.

O líder da juventude do Galo Negro, apelou a juventude do seu partido, frisando que assistimos está triste realidade em Angola, de um governo ilegítimo que não resultou da vontade soberana do povo angolano expresso nas urnas no dia 24 de Agosto último. Por isso, o jovem político enfatiza que não tem receio de a firmar que o “MPLA não venceu esta eleições, bem como, não temos receios de afirmar que o MPLA traz perspectivas nenhuma de governação  para juventude angolana”.

A JURA convida aos seus membros e dirigentes a cerrarem fileiras entorno da UNITA e do seu presidente   Adalberto Costa Júnior, com vista a formatação de uma Angola que garanta a prosperidade a todos.

“o momento é de grande responsabilidade para juventude, é de responsabilidade da JURA e crucial para história de Angola”, onde a juventude é chamada para um papel de vanguarda de modo a impedir que o regime continue a fazer de Angola como se sua propriedade se trata-se”.