Connect with us

Luto

MPLA “consternado com a morte do Estado Maior do Kuduro”

Published

on

O MPLA, partido que sustenta o governo angolano, manifesta-se consternado com a morte do músico Nagrelha dos Lambas, também conhecido como Estado Maior do Kuduro, falecido nesta sexta-feira, 18, em Luanda, vítima de doença.

A mensagem, chegada à redação do Correio da Kianda vem do Secretariado do Bureau Político do MPLA, que refere que “em nome dos militantes, simpatizantes e amigos do partido, tomou conhecimento da morte do Senhor Joelson Caio Manuel Mendes, mais conhecido nas lides artísticas como “Nagrelha dos Lambas” ou “Estado Maior do Kuduro”, aos 36 anos.

Natural de Luanda, “Nagrelha” notabilizou-se como dos mais carismáticos integrantes do Grupo Musical “Os Lambas”,  responsáveis pela introdução de um novo paradígma no estilo musical Kuduro, marcado por composições com apreciável rima e elevada capacidade criativa, que catapultaram o grupo ao patamar dos melhores no estilo em referência.

Também conhecido por “Estado Maior do Kuduro”, cognome reforçado com a indumentária peculiar com que se exibia, Joelson Caio Manuel Mendes, marcou uma era de revolução do percurso da história da música angolana, introduzindo um estilo contagiante, vibrante, amplamente apreciado e consumido em várias as latitudes.

“Pela sua forma ímpar e inigualável de ser e estar, Nagrelha inspirou e mobilizou muitos artistas a aderirem o estilo “Kuduro” que, com mérito dos seus fazedores, conquistou um lugar no rico acervo cultural nacional”, lê-se na nota de condolências.

O MPLA reconhece o “forte pendor mobilizador que nos habituou em vários actos e actividades, bem como o carinho com que Nagrelha nos habituou”, o que segundo o partido “provocará sempre uma grande saudade entre os admiradores e fãs da sua performance artística”.

Lembrar que há alguns meses que o músico deu entrada no hospital de Doenças Cardiovasculares Cardeal Alexandre dos Nascimento, com problemas de complicações pulmonres.

O Estado Maior do Kuduro tinha uma forte relação profissional com o partido MPLA, de cujas actividades era convidado a actuar, por causa da sua popularidade.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas