Conecte-se agora

Politica

MPLA considera “muito graves” declarações de Tchizé dos Santos, mas afasta hipótese de expulsão

Órgãos internos do partido vão analisar o caso, mas não está em causa a expulsão de filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.

Redação

Publicados

on

mpla considera “muito graves” declarações de tchizé dos santos, mas afasta hipótese de expulsão - Tchiz   dos Santos - MPLA considera “muito graves” declarações de Tchizé dos Santos, mas afasta hipótese de expulsão

A filha do ex-Presidente de Angola Tchizé dos Santos recusa regressar ao país porque diz temer pela vida e, ao mesmo tempo, não quer suspender o mandato de deputada, como o seu partido, o MPLA, lhe exige, e divulgou áudios dizendo-se perseguida pelo Presidente João Lourenço. O porta-voz do partido considerou “muito graves” as declarações da deputada, que poderá ser alvo de acções disciplinares.

“Exigir a destituição do Presidente João Lourenço? Acusar o Presidente de ser um ditador? De estar a fazer um golpe de Estado às instituições em Angola? Tem provas? São palavras absurdas e declarações graves, muito graves, que o partido vai analisar”, afirmou Paulo Pombolo. Garantiu no entanto que a expulsão de Tchizé dos Santos não está a ser equacionada.

Segundo Paulo Pombolo, secretário para a Informação do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), o partido tem órgãos próprios – Comissão Nacional de Disciplina e Auditoria – e vai analisar as declarações da filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos à luz dos estatutos partidários. O assunto vai ser ainda debatido pela comissão de disciplina, pelo que não se pode antecipar seja o que for sobre uma eventual decisão de órgãos que são “independentes e autónomos”.

O porta-voz sublinhou que o partido “não tem por norma” discutir os assuntos internos na “praça pública”, tanto mais que Tchizé dos Santos, que está a residir no reino Unido, integra o Comité Central do MPLA, cujos membros têm responsabilidades acrescidas.

“A camarada Tchizé dos Santos, como membro do Comité Central, sabe que há regras e normas a cumprir e está a portar-se ma””, afirmou, lembrando que tudo começou com uma carta do grupo parlamentar do MPLA, de 7 de Maio, a “aconselhar” a deputada a suspender temporariamente o mandato por estar ausente do Parlamento há mais de 90 dias.

Questionado pela Lusa sobre o que pode acontecer se Tchizé dos Santos não o fizer – alega razões de segurança pessoal e de perseguições políticas e intimidações feitas por dirigentes do partido -, Paulo Pombolo indicou que, em última análise, e à luz do Regimento da Assembleia Nacional e do Estatuto de Deputado, o MPLA, o seu próprio grupo parlamentar e até o próprio presidente do Parlamento podem decidir a suspensão temporária do mandato, conquistado nas eleições de Agosto de 2017.

“Se a camarada Tchizé dos Santos não o fizer por iniciativa própria, corre o risco de ser suspensa das funções. O grupo parlamentar pode fazê-lo, assim como o próprio partido ou até o presidente da Assembleia Nacional”, referiu.

“O que fizemos [na carta do grupo parlamentar] foi facilitar o trabalho da deputada [sugerindo que solicitasse a suspensão temporária do mandato]. Já passaram 90 dias e o MPLA não pode continuar sem um deputado no Parlamento. As regras são do Parlamento e não do partido”, insistiu.

 

C/ LUSA

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (223)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (6)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação