Conecte-se agora

Politica

MPLA ‘atira-se’ à Direcção do jornal Folha 8

Redação

Publicados

on

- MPLA Lan  amento agenda politica 2019 - MPLA ‘atira-se’ à Direcção do jornal Folha 8

O MPLA deixou duras críticas a um artigo de opinião veiculado pelo jornal folha 8, no dia 17 de Março de 2019, com o titulo “Luísa Damião é nojenta”.

Segundo uma nota do Departamento de Informação e Propaganda do Comité Central do MPLA, enviada 3ª feira (19) à Direcção do jornal Folha 8, os camaradas, contestam veementemente a forma leviana como é titulado o referido artigo, onde a Vice-Presidente do MPLA, que prestou solidariedade à família da cidadã Juliana Cafrique, na qualidade de mãe/mulher, é a figura visada.

“Consideramos o título do artigo infeliz e descabido, pois, independentemente das convicções do seu autor, achamos que a Direcção do jornal tem a obrigação de assegurar-se que cada notícia, artigo ou entrevista divulgados cumpram com o estabelecido nos termos da lei, quanto aos limites ao exercício da liberdade de imprensa e de opinião.

Além de constituir uma ofensa a todas as mulheres e mães de Angola, o adjectivo usado para titular o aludido artigo constitui um atropelo grave às mais elementares normas que regem a actividade jornalística.

O MPLA considera que a imprensa desempenha um papel importante na elevação da consciência cívica e democrática dos cidadãos, tendo em conta o seu grande poder de influenciar crenças e comportamentos. Por isso, achamos ser inadmissível um órgão de comunicação social, que, além de informar, tem também a missão de educar, adoptar uma postura que contrarie o princípio do respeito a outrem.

Diferente do que consta no famigerado texto de opinião, o MPLA sempre actuou com respeito e tolerância à todos os angolanos, independentemente das suas convicções políticas, orgulhando-se, por isso, da sua história, em defesa dos supremos interesses do povo angolano e dos incontáveis feitos heróicos das mulheres, na construção de uma sociedade mais solidária e progressiva.

Diante do exposto, solicitamos à Redacção do Folha 8, que se retracte formalmente pelo facto ocorrido, recorrendo aos princípios éticos e deontológicos que regem o exercício de um jornalismo responsável.

Em reacção ao direito de resposta exercido pelo DIP do Comité Central do MPLA, a Direcção do jornal Folha 8, enviou a seguinte nota:

1 – Tratando-se de um artigo de opinião da autoria de José Filipe Rodrigues (terapeuta em Pediatria, Geriatria e Psiquiatria; Poeta e Contista; natural do Huambo e a residir nos EUA, o mesmo – incluindo o título do texto – apenas e só vincula o seu autor.

2- Sendo a mui ilustre Vice-Presidente do MPLA, com toda a legitimidade e mérito, uma Personalidade Politicamente Exposta, segundo – por exemplo – a definição do Parlamento Europeu (que inclui neste âmbito os chefes de Estado, chefes de governo, ministros, membros dos órgãos de direcção de partidos políticos, juízes de tribunais supremos, deputados etc.), é natural que seja “alvo” preferencial do escrutínio de comentadores, jornalistas e “opinion makers”.

3 – O título de artigo referido (“Nojenta”) retrata o estado de espírito do autor, manifestamente desagradado com um acto público, publicado, reproduzido e propagandeado através de imagens que – na sua opinião – deveria ser recatado porque a solidariedade (louvável) em momentos de dor não é compaginável com fotografias entendíveis como propaganda. Acresce que, se em vez de “Nojenta” fosse utilizado um sinónimo (“repugnante”, por exemplo), não teria havido qualquer alarido.

4 – Vejamos o que diz, no seu artigo 40º, a nossa Constituição sobre Liberdade de Expressão e Informação:

«1. Todos têm o direito de exprimir, divulgar e compartilhar livremente os seus pensamentos, as suas ideias e opiniões, pela palavra, imagem ou qualquer outro meio, bem como o direito e a liberdade de informar, de se informar e de ser informado, sem impedimentos nem discriminações.

2. O exercício dos direitos e liberdades constantes do número anterior não pode ser impedido nem limitado por qualquer tipo ou forma de censura.

3. A liberdade de expressão e a liberdade de informação têm como limites os direitos de todos ao bom nome, à honra e à reputação, à imagem e à reserva da intimidade da vida privada e familiar, a protecção da infância e da juventude, o segredo de Estado, o segredo de justiça, o segredo profissional e demais garantias daqueles direitos, nos termos regulados pela lei.

4. As infracções cometidas no exercício da liberdade de expressão e de informação fazem incorrer o seu autor em responsabilidade disciplinar, civil e criminal, nos termos da lei.

5. A todas as pessoas, singulares ou colectivas, é assegurado, nos termos da lei e em condições de igualdade e eficácia, o direito de resposta e de rectificação, bem como o direito a indemnização pelos danos sofridos».

5 – O Folha 8 reconhece que o título poderia ter sido alterado e, dessa forma, ser menos violento. Igualmente reconhece que alterá-lo poderia enquadrar-se num acto de censura. A isso acresce que entre a liberdade exagerada e a liberdade minguada, continuamos a preferir a exagerada. Isto porque a exagerada é curável e a outra alimenta quase sempre e de forma muitas vezes irreversível a Síndrome de Estocolmo.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD