Conecte-se agora

Politica

Movimento Independentista de Cabinda denuncia detenção do seu secretário-geral

A detenção de Carlos Vemba surge após uma entrevista dada ao movimento à Voz da América, onde o político tinha anunciado uma “marcha pacífica” para assinalar o aniversário do Tratado de Simulambuco.

Redação

Publicados

on

movimento independentista de cabinda denuncia detenção do seu secretário-geral - WhatsApp Image 2019 01 30 at 07 - Movimento Independentista de Cabinda denuncia detenção do seu secretário-geral

O Movimento Independentista de Cabinda (MIC) afirmou que a “polícia colonial angolana” deteve esta sexta-feira o secretário-geral da organização antes de uma “marcha pacífica” prevista para o início da tarde para assinalar os 134 anos do Tratado de Simulambuco.

Numa mensagem na rede social Whatsapp, o secretário para a Informação do MIC, Sebastião Macaia, que está incontactável por telefone, indicou que a detenção de Carlos Vemba surge depois de uma entrevista dada pelo secretário-geral do movimento à Voz da América (VOA).

A polícia colonial angolana acaba de deter Carlos Vemba, secretário-geral do MIC, que, ontem [quinta-feira], numa entrevista à VOA, confirmou a realização da marcha, hoje, 1 de fevereiro. Abaixo a colonização angolana. Viva Operação Cabinda Livre. Libertem Carlos Vemba”, lê-se na mensagem.

Segundo Sebastião Macaia, a detenção de Carlos Vemba e também a de mais um apoiante do MIC, junta-se aos restantes 32 apoiantes do movimento detidos na terça-feira em Cabinda pela polícia angolana.

Para esta sexta-feira está prevista a realização de uma “marcha pacífica”, organizada pelo MIC para assinalar o 134.º aniversário da assinatura do Tratado de Simulambuco (1885), documento que, para os movimentos secessionistas do enclave, está na base da luta pela independência, mas não é ainda possível confirmar se a iniciativa está a decorrer ou se foi impedida pela polícia.

“Face a todas estas perseguições, o Povo de Cabinda decidiu manter de pé a marcha pacífica”, que irá desfilar a partir do largo do antigo cemitério de Zangoio (ou “Parada dos Fiéis”) até ao largo onde se situa o monumento em memória do Tratado de Simulambuco, referiu na quinta-feira à Lusa o secretário para a Informação do MIC.

Na marcha, acrescentou, além de visar protestar “contra a colonização angolana e a favor da autodeterminação e independência de Cabinda”, vai também ser exigida a “libertação imediata” de todos os apoiantes do MIC detidos nas prisões do enclave angolano que faz fronteira com a República do Congo e com a República Democrática do Congo.

Em agosto de 2017, a polícia de Cabinda prendeu 13 membros do MIC sob a acusação de “prática do crime de reuniões ilegais e contra a segurança do Estado”, tendo o Tribunal Provincial local absolvido todos os visados no julgamento sumário realizado seis dias depois.

O Tratado de Simulambuco foi assinado em 1 de fevereiro de 1885, pelo representante do Governo português Guilherme Augusto de Brito Capello, então capitão tenente da Armada e comandante da corveta Rainha de Portugal, e por chefes e oficiais do reino de N’Goyo.

O tratado colocou Cabinda sob protetorado português e foi elaborado antes da Conferência de Berlim, que dividiu África pelas potências europeias.

A procura da independência data, no entanto, de 1956, quatro anos depois da união administrativa com Angola, com a formação do Movimento de Libertação do Enclave de Cabinda (MLEC) e, em 1963, dois anos depois do início da guerra em Angola, são criados o Comité de Ação da União Nacional dos Cabindas (CAUNC) e a Aliança Maiombe (ALLIAMA).

A Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC) é fundada nesse mesmo ano, como resultado da fusão dos movimentos existentes e de forma a unir esforços que sensibilizassem Portugal para o desejo de independência.

Mais recentemente, a FLEC passou a designar-se Frente de Libertação do Estado de Cabinda.

A Lusa contactou o governo provincial de Cabinda, mas ainda não conseguiu nenhuma resposta.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (224)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (6)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação