Connect with us

Sociedade

Mortes por doenças diminuem no país – Afirma ministra

Published

on

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, anunciou, este domingo, na cidade do Lubango, província da Huíla que a mortalidade causada por várias doenças reduziu consideravelmente, no país, devido à melhoria da qualidade dos serviços.

Sílvia Lutucuta, que falava à margem da inauguração da nova sala da Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Hospital Central do Lubango Dr. António Agostinho Neto, disse que a redução da mortalidade resulta de um conjunto de factores, tais como a atenção que o Executivo presta ao sector, sobretudo na prevenção de doenças, cura e na assistência técnica.

Salientou que a construção, reabilitação e apetrechamento de unidades sanitárias do país, com equipamentos de ponta, bem como a formação e especialização de técnicos de Saúde são outros factores que estão a contribuir para a redução da mortalidade.

Afirmou que a redução da mortalidade se deve, também, à humanização nos Cuidados Primários de Saúde.

“Apesar de termos muitos casos de malária, está a morrer menos gente devido à doença”, assegurou.

Sílvia Lutucuta afirmou que se conseguiu dar resposta a muitas situações, com a intervenção de vários sectores, uma prática contínua e salutar.

“Temos trabalhado com diversos sectores, como é o caso dos ministérios da Defesa e do Interior, bem como o sector privado, o que tem reforçado o combate às grandes endemias, como acontece na pandemia da Covid-19”, indicou.

Reafirmou o compromisso de melhorar os serviços, dar atenção especial e reforçar os cuidados primários de saúde.

Acrescentou que a atenção continua, igualmente, em relação à prevenção e formação de quadros.

A ministra da Saúde reafirmou os ganhos conseguidos pelo sector, na legislatura prestes a terminar. “Durante os cinco anos, tivemos grandes desafios no sector, mas, também, nos orgulhamos dos grandes ganhos conseguidos”, disse.

Sílvia Lutucuta informou que, no que toca aos recursos humanos, fizeram-se os melhores concursos públicos da história da Saúde em Angola, com a admissão de mais de 33 mil novos profissionais. Informou que se aumentou a força de trabalho para 35% no sector da Saúde.

Anunciou que, ainda ao longo deste ano, vai haver um outro concurso para admissão de mais de oito mil profissionais. Avançou que o outro ganho é a formação. “Nunca se formou tantos médicos nas várias áreas como aconteceu nesta legislatura prestes a terminar”, reconheceu, salientando que “demos especial atenção à medicina familiar, como medida de reforçar e melhorar a qualidade dos serviços dos cuidados primários”.

Assegurou que o Ministério da Saúde está empenhado em continuar a dar formação contínua, estando já em curso a especialização de médicos.

Sílvia Lutucuta indicou que, a nível dos cuidados primários, com o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), estão a ser reabilitados e apetrechados, bem como melhoradas as condições de trabalho dos postos médicos e centros de saúde.

Esclareceu que foram desenvolvidos 330 projectos da Saúde e alguns já estão a ser inaugurados, incluindo as duas unidades inauguradas, sábado, na província do Bié, o que perfaz 87 novas unidades sanitárias ampliadas e modernizadas.

“Temos pelo menos seis grandes unidades sanitárias nas províncias de Luanda, Cabinda e Bié que já dão resposta aos problemas antes resolvidos pela Junta Nacional de Saúde”, esclareceu.

A ministra da Saúde garantiu que a aposta é continuar a trabalhar na melhoria da logística de medicamentos. Sílvia Lutucuta assegurou que o desafio está a ser encarado com muito cuidado.

A ministra da Saúde anunciou que a indústria de medicamentos há-de ser um facto na próxima legislatura.

C/JA.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas