Connect with us

Sociedade

Moradores do Kilamba Kiaxi denunciam cobrança ilegal de registo civil

Published

on

Os moradores do bairro dos Rastas, no município do Kilamba Kiaxi, em Luanda, denunciaram, neste sábado, 24, a cobrança ilegal para obtenção de registo civil por parte das comissões de moradores deste município.

De acordo com a denúncia chegada à nossa redacção, os cidadãos para obterem o referido documento, estão a ser forçados a pagar um valor que ronda entre kz 500 à Kz 1000, valores considerados indevidos, visto que tais registos enquadram-se no âmbito do registo gratuito, levado à cabo pelo executivo angolano.

O coordenador da Plataforma de Intervenção do Kilamba Kiaxi (PIKK), Donito Carlos, disse que não se justifica tal atitude por parte dos responsáveis das comissões de moradores e frisa que as famílias estão a viver em situações muito difíceis, agravadas pela pandemia de covid-19.

“Os moradores estão a lamentar muito”, disse. “Realmente as comissões de moradores estão a cobrar dinheiro para obtenção dos documentos”, denunciou.

Já outro morador que não quis ser identificado fez saber que, a princípio, estavam a cobrar a cada cidadão Kz 300 à Kz 500, para inscreverem os seus nomes na lista, e depois comprarem a declaração de moradores entre Kz 1000 e Kz 1500, e um requerimento dirigido ao coordenador, que custa Kz 500”.

A fonte que citamos, fez saber que se um cidadão quiser ter um registo de nascimento rápido tem de pagar uma quantia de Kz 5000 à Kz 10.000, assegurando que tal prática se transformou em negócio dos responsáveis da comissão dos moradores.

Por sua vez, o coordenador do bairro dos Rastas, do distrito Urbano do Golf 1, no município do Kiamba Kiaxi, João Ngola, confirmou, em conversa com o Correio da Kianda, a cobrança, e que estão a servir para cobrir as despesas com materiais técnicos a serem usados durante este processo de registo civil.

“O responsável destacou que os colaboradores precisam comer, precisa-se de fazer manutenção e higienização no local onde está trabalhar, cópia, entre outros”, segundo o coordenador, são estas as razões que estão a levar os cidadãos a fazerem uma comparticipação.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *