Connect with us

Politica

Ministro do Interior lamenta morte do jornalista Emanuel Malaquias

Published

on

O ministro do Interior, Eugénio César Laborinho, considerou a morte do jornalista e director da Rádio Comercial Despertar, Emanuel Malaquias, um acontecimento inexplicável, a olhar pela forma abrupta como ela ocorreu.

Para Eugénio Laborinho, Malaquias, um exímio comunicador era um profissional dedicado, honesto e atento aos acontecimentos, daí que lamenta, profundamente, a sua morte, numa mensagem assinada por si a que o GCII/MININT teve acesso.

“Foi com profundo pesar e consternação que a Direcção do Ministério do Interior tomou conhecimento do passamento físico do jornalista, Emanuel Malaquias, que até então exercia a função de Director Geral da estação radiofónica “Despertar”, ocorrido a 22 de Março de 2021, em Luanda, vítima de doença”, refere o dirigente.

Eugénio Laborinho prossegue na sua mensagem reconhecendo várias qualidades do jornalista:

“Emanuel Malaquias foi um dos jornalistas que, desde muito cedo, abraçou a missão de comunicar com isenção e imparcialidade, fazendo jus ao ditames da democracia e liberdade de imprensa.

Como jornalista profissional, Malaquias demonstrou durante o percurso da sua carreira, valente mestria e domínio fluente da comunicação, na vertente radiofónica e não só” pode ler-se na mensagem.

Para mais afirma que, “no seio dos amigos e familiares, Emanuel era carinhosamente tratado por “Canjila”, onde o seu lado altruísta, gentil, íntegro e honesto, transcendia no relacionamento com os demais.

“Nesta hora de dor e luto, em meu nome próprio e dos membros de Direcção do Ministério do Interior endereçamos a família enlutada, amigos e colegas do exímio jornalista, às mais sentidas condolências pelo infausto acontecimento” conclui, Eugénio Laborinho.

Recorde-se que o jornalista e Director da Comercial da Despertar, morreu nesta segunda-feira, 22, vítima de doença e esteve a frente da Rádio Despertar nos últimos anos em substituição de Zito Calhas, que morreu, na África do Sul, igualmente vítima de doença.

Fonte: GCII/MININT