Connect with us

Politica

Ministra da Saúde diz que Governo gasta milhões de euros na evacuação de pacientes

O governo angolano está a trabalhar afincadamente na formação especializada de médicos em várias áreas, para reduzir os custos de evacuação de pacientes nacionais para o exterior do país, que são avultados, referiu neste sábado, no município do Cuito Cuanavale, Cuando Cubango, a Ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.

Published

on

“Fazer qualquer cirurgia ortopédica, alojamentos, passagem aérea, os custos são elevadíssimos, podem ficar a volta dos 15 mil euros ou mais para cada paciente e anualmente podem chegar a 4 milhões de euros”, exempleficou a Ministra.

Aclarou que o país tem limitações no que tange aos especialistas de diversas áreas profissionais, capacidade técnica e das unidades hospitalares, mas que se está a fazer um grande trabalho para se inverter o quadro, com o apoio do Presidente da República, João Lourenço.

O Ministério da Saúde, segundo Sílvia Lutucuta, está apostado na formação especializada para aumentar o número de médicos de família, nas áreas de pediatria, ginecologia, obstetrícia, saúde pública, medicina interna e anestesia.

Sobre o funcionamento do Hospital Geral do Cuando Cubango, assegurou que o sector vai dar um tratamento adequado.

“O mais importante será a prestação de serviços às populações locais, porém, com pendor de formação através da parceira com a vizinha República da Namíbia, Zâmbia, África do Sul, para inverter o quadro e com um atendimento diferenciado”, sublinhou.

Em declarações à imprensa, no final de uma visita de trabalho de dois dias à província do Cuando Cubango, a titular da Saúde manifestou preocupação com o atraso das obras do novo hospital iniciadas em 2006, e que estão paralizadas à seis anos.

Aos empreiteiros da obra foram pagos 97 porcento do valor, incluindo o seu apetrechamento.

Informou que o Sector da Saúde está a trabalhar no sentido de responsabilizar criminalmente os empreteiros. Para o efeito, avançou que o ministério vai recorrer aos órgãos de justiça para se dar um tratamento célere, porque a situação já ultrapassa as competências do seu pelouro.

O único Centro de Saúde do Cuito Cuanavale, instalado na sede, regista grandes dificuldades, quer da parte do laboratório, uma vez que funciona apenas com um microscópio e testes rápidos.

A ministra manifestou-se também preocupada com a população fronteiriça que, por falta de especialistas nos hospitais locais, imigram para os países vizinhos em busca de assistência médica, percorrendo mais de 300 quilómetros.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas