Connect with us

Mundo

Militares do Mali suspendem actividades de partidos políticos até novo decreto

Published

on

A junta no Mali emitiu um decreto suspendendo as actividades dos partidos políticos até novo aviso, como anunciado pelo porta-voz do governo, Abdoulaye Maiga, em um comunicado transmitido pela televisão estatal na noite de quarta-feira.

De acordo com o comunicado, o decreto visa manter a ordem pública e suspende todas as actividades dos partidos políticos e “associações de natureza política” até segunda ordem.

Desde Agosto de 2020, o Mali está sob regime militar, sendo o primeiro de uma série de oito golpes de Estado na África Ocidental e Central nos últimos quatro anos, incluindo em países vizinhos como Burkina Faso e Níger.

A actual junta do Mali assumiu o poder em um segundo golpe em 2021 e prometeu restaurar o regime civil até 26 de Março de 2024, após as eleições que seriam realizadas em Fevereiro deste ano.

No entanto, em Setembro do ano passado, a junta anunciou o adiamento indefinido das eleições de Fevereiro por motivos técnicos, causando indignação entre os grupos políticos.

Após o término do prazo de transição no mês passado sem a realização de votações, vários dos principais partidos políticos e grupos da sociedade civil do Mali exigiram, em 31 de Março, um calendário para as eleições.

Em uma declaração conjunta, mais de 20 signatários, incluindo uma importante coligação da oposição e o partido do ex-presidente deposto, afirmaram: “utilizaremos todos os meios legais e legítimos para restaurar a ordem constitucional normal em nosso país”.

De recordar que os governantes militares do Mali já haviam quebrado a sua primeira promessa de realizar eleições em Fevereiro de 2022.

Colunistas