Connect with us

África

Mercenários do grupo Wagner estão na República Centro Africana

Published

on

Centenas de mercenários do grupo paramilitar Wagner chegaram este domingo na República Centro Africana, anunciou o grupo em comunicado citado pela BBC.

De acordo com a publicação, os mercenários aterraram num aeroporto de Bangui neste domingo.

Várias centenas de “experientes” combatentes do grupo de mercenários russo Wagner chegaram à República Centro-Africana para “garantir a segurança” antes do referendo de 30 de Julho.

“Um outro avião chegou a Bangui com instrutores para trabalhar na República Centro-Africana (RCA). A rotação prevista prossegue. Várias centenas de profissionais experientes da companhia Wagner juntam-se à equipa que trabalha no país”, declarou a Comunidade de Oficiais para a Segurança Internacional (COSI) na rede social Telegram.

“Os instrutores russos continuarão a ajudar os militares das Forças Armadas Centro-Africanas e as forças da ordem da RCA a garantir a segurança durante a preparação do referendo constitucional previsto para 30 de julho”, lê-se no comunicado, citado pela Lusa e retomado pelo Notícias ao Minuto.

Juntamente com o comunicado, o COSI publicou uma fotografia que mostra pelo menos trinta pessoas mascaradas e com uniforme militar em fila, no que parece ser uma pista de aterragem de um aeroporto.

Segundo os Estados Unidos, a COSI é uma empresa de fachada do grupo Wagner na República Centro-Africana. É dirigida por um russo, Alexandre Ivanov, que se encontra sob sanções americanas desde Janeiro.

Num comunicado de imprensa publicado no domingo, o COSI declarou que os seus instrutores estavam a treinar as forças de segurança centro-africanas há “mais de cinco anos” e que tinham assim ajudado a “melhorar o nível geral de segurança” no país.

No início de Julho, várias fontes estrangeiras afirmaram que um número desconhecido de mercenários da Wagner estava a deixar a República Centro-Africana, uma afirmação firmemente negada pelo governo do país africano.

O estatuto da empresa paramilitar privada e a continuação das suas operações são incertos desde o seu motim abortado na Rússia, a 23 e 24 de Junho.

Mas as suas intervenções no estrangeiro, nomeadamente na Síria e em vários países africanos (Sudão, República Centro-Africana, Mali), não foram até agora publicamente postas em causa.

Logo que foi anunciado o fim do motim na Rússia Bangui declarou que as actividades da Wagner “continuariam”.