Connect with us

Sociedade

Meliantes matam cidadão por falta de dinheiro

Published

on

“Viver aqui no bairro Belo Monte é um autêntico pesadelo. É assassinato atrás de assassinato, até parece um município onde não existe polícia. A polícia na televisão sempre a falar que vai reforçar, mas até agora não vemos nada. Os bandidos continuam a matar conforme lhes apetece”, narrou um habitante à equipa de reportagem do Correio da Kianda, nesta segunda-feira, 21, depois de mais um crime em que foi vítima um cidadão.

A onda de assaltos à mão armada que se intensificou há algum tempo nesta parte no município de Cacuaco, mais concretamente no bairro Belo Monte, por sinal, localidade onde recentemente terá sido palco da morte de um comandante da Polícia Nacional, parece não chegar ao fim, mesmo com as promessas feitas pela polícia, no sentido de se redobrar o policiamento naquela zona.

Na semana finda, mais um cidadão que entra nas estatísticas de muitos, perdeu a vida em consequência de um presumível assalto na sua residência, protagonizado por meliantes, que com recurso a arma de fogo, dispararam mortalmente contra o cidadão que em vida chamou-se Matumona.

O triste episódio, aconteceu na madrugada de sábado último, quando um grupo de meliantes, invadiu a residência do malogrado, rompendo as janelas até entrar no interior. Contam as vizinhas, que aos gritos, os meliantes exigiram dinheiro ao malogrado, exigência que presume-se não ter sido atendida pela vítima, facto que fez com que um dos meliantes pegasse numa arma e disparasse contra Matumona.

Enquanto decorria o assalto, relatam os vizinhos, tentaram recorrer a uma das esquadras mais próximas, conhecida por “Uma Uma” mas, posto lá, acabaram por ser informados que a unidade policial, tinha um número reduzido de efectivos, pelo que seria impossível intervir.

“Fomos na esquadra do Uma Uma e só encontramos dois polícias e disseram que não têm como deixar esquadra”, fez saber uma vizinha do malogrado, que relatou o triste episódio.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas