Conecte-se agora

Destaque

Em meio à crise econômica, Angola sela nova parceria com o Banco Mundial

Redação

Publicados

on

em meio à crise econômica, angola sela nova parceria com o banco mundial - Makhtar Diop le temps de la revolution energetique en Afrique - Em meio à crise econômica, Angola sela nova parceria com o Banco Mundial

Mais de 90% das receitas externas angolanas advém da exportação de petróleo. A queda internacional nos preços dessa commodity vem causando sérios problemas ao Governo desse país para a administração dos gastos públicos. O presidente João Lourenço, empossado há aproximadamente dois meses, já declarou que conduzirá profundas reformas na economia, a fim de estimular o setor secundário e, com isso, reduzir a dependência da exploração de hidrocarbonetos.

Para Makhtar Diop, vice-Presidente do Banco Mundial para a África, um dos principais objetivos da cooperação selada seria o fortalecimento da assistência técnica ao Banco Nacional de Angola (BNA). O BNA é a instituição financeira responsável pela política monetária angolana, controlando a oferta de dólares na economia para evitar maiores desvalorizações do Kwanza* mediante o arrefecimento das exportações.

Diop se encontrou com importantes autoridades angolanas, tais como o Presidente Lourenço e o Ministro das Finanças, Archer Mangueria. Detalhes sobre o novo montante financeiro a ser liberado pelo Banco Mundial ainda não foram liberados. No entanto, o próprio vice-Presidente afirmou que para além de assistências orçamentárias ao Estado, os setores da educação, saúde, agricultura e energia elétrica serão o foco principal do montante a ser desembolsado. Atualmente, o Banco Mundial consta com 37 projetos no país e um total gasto de 332 milhões de dólares. As principais áreas investidas pela instituição são em projetos de desenvolvimento rural, na prevenção de conflitos e na administração macroeconômica.

A consolidação de uma nova rodada de apoio do Banco Mundial a Angola ocorreu justamente em uma semana onde a crise econômica demonstrou novas implicações. Foi anunciado em veículos especializados que a Sonangol, principal empresa do país e responsável pela exploração e exportação de petróleo, detém uma dívida de aproximadamente 2 bilhões de dólares junto a companhias do setor da construção civil.

Tais empresas participaram ativamente em projetos de exploração petrolífera e declaram atrasos em receber os valores referentes as suas quota-partes sobre os projetos realizados. Para especialistas, o montante da dívida é significativo, mesmo para uma companhia de porte amplo como a Sonangol. Segundo a administração da empresa, o atraso nos pagamentos é explicado pelas dificuldades encontradas com a queda nos preços internacionais do petróleo nos últimos dois anos. Acima de tudo, o episódio ilustra as dificuldades econômicas atuais em Angola, as quais impulsionam o Governo a buscar parcerias internacionais – tais como a com o Banco Mundial – para a diversificação da economia interna.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (224)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (6)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação