Connect with us

Mundo

Médico francês que sugeriu testar em África a utilização da vacina BCG contra o coronavírus pede desculpa

Redação

Published

on

Muita gente, incluindo futebolistas famosos, protestou contra a ideia de usar os africanos como cobaias.

Um médico francês pediu desculpa por ter sugerido publicamente que testes de vacinas para o COVID-19 fossem realizados em África, uma vez que lá, segundo ele, as pessoas não têm proteção.

A afirmação, que surgiu durante uma entrevista com o diretor de investigação do Inserm, o instituto nacional de saúde francês, foi muito criticada, inclusivé por dois conhecidos futebolistas negros.

O médico, Jean-Paul Mira, está à frente da unidade de cuidados intensivos de um hospital parisiense. Falando quarta-feira no canal televisivo LCI a propósito de testes de utilização da vacina BCG contra o coronavírus (alguns estudos sugerem que isso poderá eventualmente reduzir a taxa de mortalidade), disse: “Se posso ser provocador, não devíamos fazer estes estudo em África, onde não há máscaras, tratamento ou cuidados intensivos, um pouco como se faz, aliás, para certos estudos da SIDA ou com prostitutas? Tentamos coisas porque sabemos que elas estão altamente expostas e não se protegem”.

O seu interlocutor concordou, e disse que já estava a ser pensado um estudo em África, em paralelo com os que atualmente decorrem na Europa e na Austrália.

As reações nas redes sociais não tardaram. Entre elas a de Didier Drogba: “A África não é um laboratório de testes. Gostava de denunciar vivamente essas palavras humilhantes, falsas, e acima de tudo profundamente racistas. O seu colega Eto’o, por sua vez, chamou assassinos aos médicos.

O Inserm explicou que as as palavras do seu representantes tinham sido mal interpretadas, e o que estava em causa era justamente incluir África nos esforços dos cientistas: “A África não deve ser esquecida ou excluída da investigação, pois a pandemia é global”.

Mesmo assim, ante a pressão, Mira fez saber, através de uma declaração emitida pela rede de hospitais onde trabalha, que lamentava o sucedido: “Quero apresentar as minhas desculpas a todos os que ficaram magoados, chocados e se sentiram insultados pelas observações que exprimiu desajeitadamente na LCI esta semana”.

 

Expresso

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *