Connect with us

Sociedade

Mau estado de escola pode deixar mais de 900 alunos fora do sistema de ensino

Published

on

Os mais de 900 alunos matriculados na escola do ensino primário nº 4035/ORLOG, conhecida por “FAS”, localizada no bairro Vidrul-Alto, no município de Cacuaco, em Luanda, correm risco de estarem fora do sistema de ensino neste ano lectivo 2020/2021, por falta de condições básicas para tentar conter a disseminação do novo coronavírus no recinto escolar.

Com a reabertura das escolas, nesta segunda-feira, 05, em todo país, a equipa do Correio da Kianda fez uma ronda em algumas escolas do município mais a norte de Luanda, onde foi possível observar escolas reabertas, mas sem a presença de vários alunos e o encerramento de outras.

A escola nº 4035/ORLOG é uma das várias no município que não poderão reabrir por falta de condições de biossegurança exigidas pelas autoridades. A nossa equipa deslocou-se para esta instituição, onde foi possível observar portões encerrados e os alunos a regressarem para as suas casas.

De acordo com o chefe da secretaria, Francisco Sebastião, a “escola precisa de tudo”. Segundo este responsável, o que se precisa não é só de condições de biossegurança, “mas também de requalificação da instituição devido as várias fissuras que ela apresenta”.

Durante uma visita guiada, conseguimos observar a falta de materiais exigidos, casas de banho danificadas, fossa estragada, salas sem chapas, sem chão, sem água, sem baldes e muito mais.

Rachaduras nas paredes colocam em risco as crianças

Francisco Sebastião fez saber que mais de 900 alunos matriculados correm risco de perderem o ano porque, segundo ele, a escola “em qualquer momento pode desabar”.

Por sua vez, os pais e encarregados de educação em entrevista a este jornal, recusam levar os seus filhos ao estabelecimento de ensino.

“Custa-me muito e vou fazer força para que ela não vá. Nestas condições prefiro que ela fique em casa”, desabafa o pai de uma aluna matriculada nesta escola.

Já um outro encarregado diz que esperava que este fosse “o ano que seu filho terminaria o ensino primário” e iria para o primeiro ciclo, mas parece que o sonho tão esperado “foi-se por água abaixo. Nestas condições é impossível. Talvez pedirei transferência para outra escola”, disse.

O secretário deu a conhecer que a administração municipal, a distrital e a municipal da Educação de Cacuaco têm conhecimento da realidade desta escola e que prometeram resolução, mas “até agora ainda não tiveram nenhuma iniciativa”, expôs.

Colunistas